Banca de DEFESA: MARIA MARLUCE DE PAULA ARAÚJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA MARLUCE DE PAULA ARAÚJO
DATA: 04/12/2012
HORA: 14:30
LOCAL: CCHLA - AUDITÓRIO "D"
TÍTULO:

PROVA BRASIL: QUE SABERES SÃO EXIGIDOS DO ALUNO


PALAVRAS-CHAVES:

Concepção de Leitura. Descritor. Matriz de Referência. Prova Brasil.

 



PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
RESUMO:

Esta pesquisa ocupa-se da investigação a respeito da concepção de leitura que subjaz à Matriz de Referência da Prova Brasil e, a partir da análise da prova, compreender que leitor é presumido para responder às questões da referida prova.  Para tanto, analisou-se o modelo de 2009 da referida prova. O estudo toma como aporte teórico os estudos bakhtinianos a respeito da concepção dialógica de linguagem (BAKHTIN, 2003, 2008; VOLOCHINOV/BAKHTIN, 1993) e da concepção de leitura defendida por Geraldi (2007), Larossa (2001) e De Certeau (1994). A pesquisa caracteriza-se como qualitativo-interpretativista, com abordagem sócio-histórica e se situa no campo da Linguística Aplicada, campo esse que, nas últimas décadas, vem oferecendo contribuições para a área do ensino de línguas e para a formação de professores. Ao analisar a Matriz de Referência da Prova Brasil, compreendemos que a mesma está em consonância com os Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa. Assim, a concepção de leitura que a subjaz é a de que a leitura é uma atividade que depende do processamento individual, mas se insere num contexto social e envolve capacidades relativas à compreensão e à produção de sentido. Pela análise da prova, reitera-se que o leitor presumido para responder as questões é aquele que desenvolveu atitudes favoráveis à leitura. Ou seja: (i) reconhece globalmente as palavras; (ii) identifica finalidades e funções da leitura, em função do reconhecimento do suporte do gênero e da contextualização do texto; (iii) antecipa conteúdos de textos a serem lidos em função de seu suporte, seu gênero e sua contextualização; (iv) levanta hipóteses relativas ao conteúdo do texto que está sendo lido; (v) é capaz de buscar pistas textuais e intertextuais. Ou seja, faz inferências, ampliando a compreensão, associando elementos diversos presentes no texto e que fazem parte das suas próprias vivências; (vi) constrói compreensão global do texto lido, unificando informações explícitas e implícitas; (vii) possui capacidade de avaliar ética e afetivamente o texto lido ou faz extrapolações pertinentes sem perder o texto de vista.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ARACELI SOBREIRA BENEVIDES - UERN
Presidente - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Externo ao Programa - 2507717 - TATYANA MABEL NOBRE BARBOSA
Notícia cadastrada em: 04/12/2012 10:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao