Banca de QUALIFICAÇÃO: CORINA DE SA LEITAO AMORIM

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CORINA DE SA LEITAO AMORIM
DATA: 09/12/2011
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório C - CCHLA
TÍTULO:

O RITUAL LINGUÍSTICO DO  Ctrl+C”  E “Ctrl+V” NO ENSINO MÉDIO : QUANDO O TRABALHO DE ESCRITA NA SALA DE AULA  FALTA E FALHA 


PALAVRAS-CHAVES:

O simbolismo do CTRL+V/CTRL+V.  Produção de textos. Trabalho de escrita.


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

Atualmente, observa-se uma grande preocupação com a chamada “geração do plágio”.  Esse trabalho parte do princípio de que essa geração pode ser também fruto de uma má-realização do “trabalho de escrita” (RIOLFI, 2003) desenvolvida na educação básica. Nesse sentido, propomos, ao final desta pesquisa, a intensificação do trabalho com os processos de escrita que alicerçam a competência lingüística (entendemos aqui a competência lingüística como sendo a capacidade mobilizada pela habilidade do aluno realizar paráfrases, reformulações e na relação singular e autônoma que ele mantém com a escrita). Nas práticas de ensino-aprendizagem, a tecnologia digital mantém, atualmente, influência direta na relação que aluno e o professor mantêm com a linguagem. O conhecimento se oferece em sites de busca a partir de um “clic”. Muitas vezes, o aluno faz uso do sistema de navegação oferecido pela internet de forma mais intensa que o professor. Mesmo sendo ferramenta que pode auxiliar no trabalho com a linguagem, professores se vêem frente a um movimento específico que não sabem como lidar: é o que chamamos aqui de ritual simbólico do “ctrl+c” (copiar) e “ctrl+v” (colar) no ensino médio. Nosso trabalho tem como objetivo, analisar como alunos do 1º ano de uma escola do ensino médio da cidade de Natal (RN), enlaçam, em seus textos, o texto do “outro”, “copiado e colado” da internet. Nesse sentido, busca responder às seguintes questões: de que modo o aluno se apropria do texto-fonte quando copiam e colam? Como esses alunos, mesmo se apropriando dos textos-fonte, deixam suas marcas, através da operação da paráfrase (FUCHS, 1982, 1984)? Que categorias de análise nos permitem olhar analítico e teoricamente para a prática do “ctrl+c/ctrl+v” dos alunos? Dada a especificidade dos dados e os objetivos do trabalho, nosso estudo se alinha aos métodos da pesquisa qualitativa (SILVERMAN, 2009). As investigações desenvolvidas nesta dissertação estão inseridas na área de conhecimento da Linguística Aplicada que se caracteriza especialmente por investigar problemas, fenômenos em que a linguagem em uma situação real é tomada como central (BRUMFIT, 1995). Teoricamente, nosso trabalho segue a perspectiva dos estudos sobre o fenômeno da “Paráfrase” (FUCHS, 1982), sobre os “manuscritos literários” (GRÉSILLON, 1987), sobre os “manuscritos escolares” (CALIL, 2004) e sobre o “trabalho de escrita” (RIOLFI, 1989). São pesquisas que se alinham com o campo teórico da Linguística da Enunciação, basilar em cada um dos trabalhos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2087054 - GLICIA MARILI AZEVEDO DE MEDEIROS TINOCO
Presidente - 2226795 - MARIA HOZANETE ALVES DE LIMA
Interno - 1675404 - PAULO HENRIQUE DUQUE
Notícia cadastrada em: 30/11/2011 15:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao