Banca de QUALIFICAÇÃO: ARIVALDO LEANDRO DA SILVA MONTE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ARIVALDO LEANDRO DA SILVA MONTE
DATA: 30/09/2011
HORA: 14:30
LOCAL: CCHLA
TÍTULO:

MEMÓRIA COLETIVA E ORALIDADE NA FICÇÃO DE MIA COUTO: CADA HOMEM É UMA RAÇA


PALAVRAS-CHAVES:

memória e oralidade na ficção de Mia Couto.


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

O objetivo dessa pesquisa é contribuir com estudos já realizados acerca da obra literária de Mia Couto e enriquecer a sua fortuna crítica. A análise será realizada sob a perspectiva dos elementos culturais moçambicanos – memória e oralidade, nos contos: “O embondeiro que sonhava pássaros”, “A princesa russa, “O pescador cego” e “A lenda da noiva e do forasteiro” contos que integram o livro Cada homem é uma raça (2005). Estes aspectos culturais formam dentro da ficção do moçambicano um conjunto de valores tradicionais que, em muito, são revelados na sua estética. Ecléa Bosi (1994) em Memória e Sociedade nos dá a ideia da dimensão espaço temporal entre passado e presente, que vê a memória como uma espécie de ponte entre os dois pontos, e vai, aos poucos, tecendo as vestes do tempo. Em Le Goff (2003), encontraremos reflexões sobre a memória e suas funções que integram seu livro História e Memória. O crítico observa a memória, não apenas como simples armazenamento de informações do passado, mas como uma apreensão do passado no presente para refletir no futuro. Sobre a oralidade, dentre outros começaremos com o livro Literatura oral no Brasil de Câmara Cascudo (1984). A obra faz uma descrição detalhada da literatura oral no Brasil, dando uma larga compreensão da formação histórica dos elementos da oralidade, suas origens e seus mais diversos significados. Fonseca (2000, p. 64) em Brasil Afro-brasileiro, observa que “A cultura negra é lugar das encruzilhadas”. Desse cruzamento e dessa fusão é que surgem novos saberes, que fluem novas linguagens e que disseminam as culturas negras. Mia Couto aproveita-se dessas fronteiras e encruzilhadas, valorizando os conhecimentos e os saberes moçambicanos, insistindo na tensão entre oralidade e escrita naquilo que pode ser um “projeto de definição do estatuto nacional de uma literatura emergente” (FONSECA, 2008,p.13).

 

 



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1299003 - DERIVALDO DOS SANTOS
Interno - 3351552 - ROSANNE BEZERRA DE ARAUJO
Interno - 1674934 - TANIA MARIA DE ARAUJO LIMA
Notícia cadastrada em: 23/09/2011 13:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao