Banca de DEFESA: JOSÉ RUBENS PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSÉ RUBENS PEREIRA
DATA : 26/06/2024
HORA: 09:00
LOCAL: Sessão remota (Goole Meet)
TÍTULO:

UNIVERSOS DE DISCURSO E CONCEITOS DE AMOR NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA AMORIS LAETITIA


PALAVRAS-CHAVES:

Amoris Laetitia; Estudos Coserianos; Entornos; Universo de discurso


PÁGINAS: 101
RESUMO:

Em 2013, no início de seu papado, o Papa Francisco anunciou a idealização de um Sínodo sobre as famílias, concretizado em duas assembleias anuais (2014 e 2015). Após a congregação sinodal, em 2016, foi publicado o relatório final e a Exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia (EAP-s AL). As expectativas em torno da EAP-s AL eram tamanhas que a comunidade cristã chegou a afirmar que esse documento era capaz de transformar a realidade da Igreja Católica Romana (Albuquerque; Araújo Junior, 2021). Contudo, as críticas do lado oposto às ideias do Papa vigente e daqueles rotulados de progressistas tornaram-se ainda mais acentuadas após a divulgação desse documento, e, por isso, Francisco foi taxado de herege por, ao que parece para alguns cardeais, causar confusão acerca da moral cristã. Com isso em mente, nos propomos a fazer um estudo da polêmica EAP-s AL, focando no principal tema abordado (o amor), sob a ótica da Linguística postulada por Eugenio Coseriu, especialmente em torno da noção de universos de discurso (UDs). Segundo Coseriu (2003), as práticas linguageiras são circunstanciadas, entre outros entornos, pelos UDs (experiência comum, ciência, fantasia e fé) que determinam o valor de verdade que carregam. Nosso objetivo, portanto, é analisar a influência dos UDs na conceitualização de amor na EAP-s AL. Esse objetivo perpassa a identificação e a descrição dos procedimentos linguístico-textuais que caracterizam os UDs. Para identificação dos UDs, consideramos os fatos significados, classificados a partir das operações discriminação e delimitação (Coseriu, 1979) da teoria coseriana, usadas como base para elaboração de nossas próprias operações textuais de análise, as quais denominamos de nomeação, realização, delimitação, quantificação, situação e associação. Além dessas operações, outros procedimentos auxiliaram na identificação dos UDs, como a intertextualidade e a linguagem metafórica. Como resultado, identificamos onze conceitos: (1) amor paciente, (2) amor compassivo, (3) amor servil, (4) amor justo, (5) amor amável, (6) amor equilibrado, (7) amor indulgente, (8) amor genuíno, (9) amor confiante, (10) amor esperançoso e (11) amor resiliente. Todos esses conceitos funcionam como dimensões conceituais que compõem a máxima do amor verdadeiro propagada por Francisco na EAP-s AL, inspirada na texto paulino em 1 Co 13: 4-7. O UD da fé se mostrou dominante dada a condição do próprio tipo textual (Exortação apostólica) e ao campo do conhecimento ao qual está vinculado (religioso). Entretanto, os UDs da experiência comum e da ciência (tipificada em filosófico, jurídico, psicológico e genético) também circunstanciam os conceitos de amor. Através deste trabalho, possibilitamos a compreensão e a interpretação dos discursos religiosos, além da proposição de um instrumento de caracterização e identificação dos UDs que, assim esperamos, podem complementar em alguma medida as posições teóricas herdadas de Coseriu.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1165367 - CLEMILTON LOPES PINHEIRO
Externo à Instituição - DANIEL MARRA DA SILVA
Externa à Instituição - EUGENIA BOJOGA
Notícia cadastrada em: 04/06/2024 17:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao