Banca de DEFESA: JUCILEIDE MARIA DE SANTANA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JUCILEIDE MARIA DE SANTANA
DATA : 31/07/2023
HORA: 15:00
LOCAL: REMOTO
TÍTULO:

UM ESTUDO DAS PRÁTICAS DE LETRAMENTOS LABORAIS NA CURADORIA DIGITAL



PALAVRAS-CHAVES:

Linguagem; Discurso; Curadoria Digital; Letramento Laboral; Multiletramentos.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

A presente pesquisa parte da necessidade de compreender como a curadoria de objetos digitais de aprendizagem se constitui como prática de multiletramento. Nesse sentido, tem como objetivo geral discutir a curadoria digital como prática de multiletramentos dos curadores de objetos digitais de aprendizagem. Em termos específicos, objetiva: 1) descrever como se efetiva o processo de curadoria digital como prática de múltiplos letramentos dos curadores; 2) identificar a concepção de linguagem adotada pelos curadores no processo de análise, avaliação e validação de objetos digitais de aprendizagem; e 3) analisar as marcas identitárias reveladas nos discursos dos curadores? Está inserida na área da Linguística Aplicada dada a sua abordagem interdisciplinar (MOITA LOPES, 1994; 2006; SIGNORINI, 2001). Apoia-se nos pressupostos teóricos dos Estudos do Letramento (BARTON; LEE, 2015; BARTON; HAMILTON, 1998; KLEIMAN, 1995; 2000; 2005; OLIVEIRA; KLEIMAN, 2008; OLIVEIRA, 2010), destacando sua abordagem social e ideológica (STREET, 1984; 2014). Fundamenta-se também nos aportes dos Multiletramentos (ROJO, 2013; BARTON; HAMILTON, 2000), incluindo o Letramento Digital (BUZATO, 2006; 2009; 2012); e o Letramento Laboral (PAZ, 2008), como também nas discussões sobre Cultura Digital (ANTONIO JUNIOR, 2015; ELIAS, 2022) e sobre Curadoria Digital (CARVALHO, 2020; BEAGRIE, 2004). Ainda, fundamenta suas ideias voltadas para Linguagem, Discurso e Identidade sob o enfoque teórico defendido pela Análise Crítica do Discurso (FAIRCLOUGH, 2001). Metodologicamente, assume a perspectiva qualitativa de viés interpretativista (MOITA LOPES, 1994); de inspiração etnográfica (CHIZZOTTI, 2006), voltando-se para a etnografia virtual (HINE, 2000; 2005; KOZINETS, 2014). Constituem o corpus da pesquisa as transcrições das entrevistas aplicadas e das observações participantes, ambas realizadas por meio do Google Meet, os registros realizados nos cadernos dos curadores, como também as anotações de campo. Os dados analisados e discutidos evidenciam que a prática curatorial dos objetos digitais de aprendizagem se efetiva por meio de etapas pré/determinadas pela plataforma, nas quais os curadores realizam a leitura, a análise, avaliação e validação dos ODAs, com base em critérios selecionados, podendo estes diferirem de um curador para o(s) outro(s). Além disso, aponta a concepção dialógica da linguagem como a perspectiva adotada pelos curadores em seu fazer curatorial. Por fim, evidencia traços identitários que sugerem uma hibridização profissional, na qual o discurso curatorial se mescla com o discurso docente. A relevância da mencionada pesquisa situa-se nas contribuições que as práticas curatoriais de objetos digitais de aprendizagem trazem para a promoção de multiletramentos dos curadores.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1674285 - ANA MARIA DE OLIVEIRA PAZ
Interna - ***.525.604-** - IVONEIDE BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES - IFRN
Externa à Instituição - NADIA MARIA SILVEIRA COSTA DE MELO - UERN
Notícia cadastrada em: 19/07/2023 16:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao