Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA RAFAELA OLIVEIRA E SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA RAFAELA OLIVEIRA E SILVA
DATA : 30/09/2022
HORA: 10:00
LOCAL: googlemeet
TÍTULO:

ETHOS DISCURSIVO E REPRESENTAÇÕES IDENTITÁRIAS ACERCA DA MULHER CRIMINOSA EM MATERIALIDADES MIDIÁTICAS NA WEB

Qualificação de Mestrado de Ana Rafaela (PPgEL-UFRN)Sexta-feira, 30 de setembro · 10:00am até 1:00pmInformações de participação do Google MeetLink da videochamada: https://meet.google.com/ndg-vxzr-mkp


PALAVRAS-CHAVES:

Ethos discursivo; identidade; mulheres criminosas.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Este trabalho objetiva investigar o processo de construção discursiva identitária do sujeito mulher criminosa – Heloísa Borba Gonçalves: Viúva Negra (1971-1992); Dorinha Duval (1980); Suzane Von Richthofen (2002); Elize Matsunaga (2012) – protagonista de 04 (quatro) crimes cometidos em meados do século XX e início do século XXI, com significativa repercussão midiática. Para tanto, o trabalho está calcado teoricamente nos postulados da Análise do Discurso francesa: Carreon; Ruiz; Araujo (2019); Fiorindo (2012); Heine (2012); Maingueneau (2008; 2015; 2018); Possenti (2020); e nos estudos identitários: Acuña (2009); Bauman (2001; 2004; 2010; 2011a; 2011b); Beauvoir (2016a; 2016b); Duschartzky; Skliar (2001); Hall (2005); Safiotti (1987); Woodward (2000). Além disso, em razão do corpus de trabalho ser oriundo não só das páginas policiais brasileiras, como também estar inserido na esfera midiática, Debord (2003); Eluf (2007); Campbell (2020; 2021) também embasam as investigações. Em se tratando dos resultados logrados ao longo das investigações, tem-se que em termos de ethos discursivo atribuído, o enunciador institucional muito se aproxima do narrador em 3ª pessoa da literatura, por não somente enunciar em 3ª pessoa, e assim manter-se distante do que enuncia e da cena de enunciação criminológica pertencente ao co-enunciador, como também mobiliza discursos de distintas esferas a fim de, no caso específico do corpus desta pesquisa, atribuir um ethos frio, interesseiro e cruel às mulheres criminosas supracitadas. No tocante à identidade, identificou-se que, embora requisitem uma identidade incomum (identidade criminosa) ao sujeito feminino, as 04 (quatro) mulheres assassinas desta pesquisa têm sobre si identidades outras comumente atreladas ao sexo feminino (mães, esposas, filha, advogada, atriz, garota de programa, estudante de Direito), relacionadas diretamente à sua confortável situação sócio financeira e cultural. Além disso, essas mulheres, ao longo de suas vidas, transitaram muitas vezes entre o centro e a periferia, em termos econômicos e legais, demonstrando que, ao invés de uma dicotomia, tem-se uma intersecção. Portanto, neste trabalho, ethos discursivo e representações identitárias mantêm sólida relação em razão dos estereótipos que norteiam ambos os processos.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1476540 - CELLINA RODRIGUES MUNIZ
Interna - 2211871 - RENATA ARCHANJO
Externo à Instituição - SÍRIO POSSENTI - UNICAMP
Notícia cadastrada em: 09/09/2022 11:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao