Banca de QUALIFICAÇÃO: LUMA VIRGINIA DE SOUZA MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUMA VIRGINIA DE SOUZA MEDEIROS
DATA : 02/09/2022
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO:

MAS AFINAL, O QUE VEM A SER A MULHER?”: REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DA MULHER E FORMAÇÃO DA LEITORA OITOCENTISTA NO JORNAL DAS SENHORAS


PALAVRAS-CHAVES:

Juana Manso. Jornal das Senhoras. Escrita feminina. Folhetim. Mulher brasileira.


PÁGINAS: 83
RESUMO:

A imprensa oitocentista brasileira guarda uma profunda intercomunicabilidade com a literatura, principalmente no que concerne à escrita feminina. Por ser anterior à cultura livresca, vários escritores trabalhavam no papel de editores para financiar suas obras, ao passo que essas contribuíam com a manutenção do jornal. Os textos formavam não apenas a opinião pública como também rascunhavam o/a leitor(a) brasileiro(a). Nessa vanguarda, Juana Paula Manso (1819-1875), escritora exilada argentina, disputava na arena pública, tipicamente masculina, a atenção das leitoras com um jornal feito por e para mulheres, com o intuito promover a emancipação moral da mulher a partir da sua ilustração. “A mulher! O que vem a ser a mulher?”, provocava Manso na primeira edição do Jornal das Senhoras com a mesma pergunta feita quase cem anos depois por Simone de Beauvoir (1949), para criticar a pretensa neutralidade epistemológica e expor as desigualdades das relações entre os sexos. Visitando a fortuna crítica de Juana Manso, o objetivo central desta dissertação é analisar como foram construídas e representadas as imagens da mulher e da leitora oitocentista brasileira, presentes nos artigos e no folhetim do Jornal das Senhoras, no período em que esteve sob a direção de Juana Manso – janeiro a junho de 1852. Estudo de caráter qualitativo busca, a partir de uma revisão bibliográfica da imprensa no Brasil no século XIX, verificar como o Jornal das Senhoras encontra-se inserido nesse contexto histórico e social, para, em seguida, identificar as estratégias utilizadas para orientar as leitoras em jornais da época e viabilizar seu discurso de emancipação, tendo como suporte teórico os estudos de Duarte (2016), Lajolo e Zilberman (2019), Candido (2006), Velasco y Arias (1937), Morel (2008), Costa (2012), entre outros. Espera-se com este trabalho identificar os valores que animavam os personagens femininos no folhetim e nas crônicas, assim como a construção da imagem da mulher e da leitora oitocentista brasileira nos artigos do Jornal das Senhoras, desde a perspectiva da mulher.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1803529 - REGINA SIMON DA SILVA
Externo à Instituição - CRISTINA BONGESTAB - UEPB
Externa à Instituição - RAQUEL DE ARAÚJO SERRÃO - IFRN
Notícia cadastrada em: 22/08/2022 13:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao