Banca de DEFESA: ANA LUÍZA DE ANDRADE CAVALCANTE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA LUÍZA DE ANDRADE CAVALCANTE
DATA : 31/05/2021
HORA: 14:00
LOCAL: sala de conferência virtual
TÍTULO:

A construção transitiva comitativa sob a ótica da Linguística Funcional Centrada no Uso



PALAVRAS-CHAVES:

Construção Transitiva Comitativa. Complemento relativo/oblíquo. Linguística Funcional Centrada no Uso. Gramática de Construções.



PÁGINAS: 52
RESUMO:

Neste trabalho, faz-se um estudo a respeito da Construção Transitiva Comitativa (CTC). A tradição gramatical dá pouca atenção ao verbo transitivo relativo/oblíquo, sendo a exceção disso Rocha Lima (2011). Na fronteira entre a gramática tradicional e a Linguística, encontram-se Bechara (2009) e Azeredo (2009), que fazem breve exposição sobre o complemento relativo. Tratando desse tipo de verbo e de seu complemento em suas gramáticas, de base linguística, Mateus et al. (2003) e Castilho (2012) denomina-os, respectivamente, como verbo transitivo oblíquo e complemento oblíquo, examinando aspectos semânticos e morfossintáticos a eles relacionados. Em abordagens avulsas no campo linguístico, existem os trabalhos de Souza (2011), Jarnalo (2014) e Lerner (2015). Em todos eles, o verbo transitivo relativo e/ou o complemento relativo são vistos ressaltando-se unicamente seus aspectos semântico-sintáticos. Afastando-se, em parte, dessas abordagens, a oração com verbo transitivo relativo/oblíquo (incluindo seu complemento) é tratada aqui em perspectiva construcional. Para tanto, utiliza-se o aparato teórico-metodológico da Linguística Funcional Centrada no Uso de viés construcionista, conforme se encontra em Furtado da Cunha, Bispo e Silva (2013), Rosário e Oliveira (2016), entre outros. O material de análise é composto por dados do Corpus Discurso e Gramática em suas versões do Rio de Janeiro (VOTRE; OLIVEIRA, 1995), Rio Grande (VOTRE; OLIVEIRA, 1996), Juiz de Fora (VOTRE; OLIVEIRA, 1997) e Natal (FURTADO DA CUNHA, 1998). O levantamento preliminar de dados do corpus indicia que a CTC apresenta certa variedade semântica relacionada à extensão de seu significado básico. Ademais, seu complemento parece exibir diferentes graus de integração sintática com o verbo a que se vincula bem como links de herança diversos. Em tais fenômenos, estão implicados fatores de natureza cognitiva (como chunking, analogização, metonimização e metaforização) e discursivo-interacionais (entre eles, perspectivização, intersubjetividade e inferência pragmática).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1673239 - JOSE ROMERITO SILVA
Interno - 1551756 - EDVALDO BALDUINO BISPO
Externo ao Programa - 1149399 - JOSE DA LUZ DA COSTA
Externo à Instituição - RICARDO YAMASHITA SANTOS - UnP
Notícia cadastrada em: 23/05/2021 01:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao