Banca de QUALIFICAÇÃO: KARLA GEANE DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KARLA GEANE DE OLIVEIRA
DATA : 06/12/2016
HORA: 17:30
LOCAL: CCHLA - Auditório 1 -Políticas Públicas
TÍTULO:
Imagina que a mulher é um bichinho que fala como periquito.A figura feminina e suas  representações discursivas em textos do jornal O PORVIR  (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929)
 

PALAVRAS-CHAVES:

Linguística do Texto. Análise textual dos Discursos. Semântica do texto. Representação discursiva. Figura feminina. Jornal O PORVIR.

 


PÁGINAS: 150
RESUMO:

RESUMO

 

A  tese apresenta um estudo cujo objeto  são as representações discursivas. O objetivo geral é examinar as representações discursivas da figura feminina em textos do jornal O PORVIR (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929). Os objetivos específicos são: (1) identificar, descrever e interpretar as representações discursivas da figura feminina em textos do jornal O PORVIR (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929); (2) discutir avanços teóricos e metodológicos possibilitados pelas análises realizadas. Do ponto de vista teórico, ancora-se na Linguística Textual (FÁVERO; KOCH,1998; KOCH, 1998; 2001; 2004; 2013; KOCH; TRAVAGLIA, 1997;   BENTES, 2001;   MARCUSCHI, 2008, 2009),  no quadro geral da  Análise Textual dos Discursos – ATD (ADAM, 2011; 2015), com foco na noção de representação discursiva (ADAM, 2011; GRIZE, 1990; 1996; 1997;  RODRIGUES; PASSEGGI; SILVA NETO, 2010). A noção de representação discursiva é entendida como uma das principais noções utilizadas  pela ATD para análise do nível semântico do texto. A metodologia se configura como uma pesquisa documental,  de métodos mistos, com uma estratégia de investigação concomitante (CRESWELL; PLANO CLARK, 2007; CRESWELL, 2010),  visando reunir dados quantitativos e qualitativos e integrá-los, para uma análise mais robusta dos dados. O corpus se constituiu  de 39  textos, selecionados no jornal O PORVIR (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929).  Para a análise das representações discursivas da figura feminina, foram utilizadas categorias específicas, quais sejam: referenciação, modificação da referenciação, predicação, modificação da predicação, localização espacial, localização temporal, analogia e conexão (ADAM, 2011; GRIZE, 1990; 1996; 1997;  RODRIGUES; PASSEGGI; SILVA NETO, 2010). A figura feminina é um participante essencial dos assuntos tratados nos textos do jornal O PORVIR (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929). A análise apresentada ainda é preliminar, mas já  depreende resultados que indicam  algumas representações discursivas básicas mais gerais,  que se organizam no âmbito da vida familiar, vinculadas aos  espaços domésticos. Nesse contexto, a figura feminina foi  designada  como  mãe e mulher. Essas representações discursivas mais gerais  se desdobram, ao logo do texto,  em representações discursivas mais específicas. Atua de forma relevante nesse processo o modificador do referente. Na construção da representação discursiva da figura feminina como mãe, tem singular relevância o modificador do referente sublime. Esse modificador aciona qualidades que, somadas a designação de mãe,  reconstroem a representação discursiva da figura feminina  como  mãe sublime. Predicados de estado também permitem depreender representações discursivas da figura feminina, nesse caso,  a partir da designação do referente figura feminina como  mulher. Essas predicações reconstroem duas representações discursivas da figura feminina designada como mulher:  (1) a obra mais perfeita da criação (2) um bichinho que fala como periquito.  A representação discursiva a obra mais perfeita da criação  é complementa, com o auxílio do marcador de  conexão porém, pela informação de que a mulher já tem historicamente constituído determinados ofícios profissionais específicos, os quais são inerentes a espécie, a saber: as preocupações do lar. O exposto permite inferir uma série de representações discursivas da figura feminina seguindo mais ou menos o mesmo campo semântico: mulher do lar, mãe, esposa, responsável pelos cuidados com a família, com os filhos, com o marido. Aos papéis semânticos de mãe sublime e mulher como obra mais perfeita da criação se contrapõe a representação discursiva da mulher  como  um bichinho que fala como periquito. Essa representação discursiva articula-se estreitamente ao comportamento da mulher e, por meio da comparação, é perspectivada como uma representação discursiva negativa, como uma pessoa que fala muito, portanto, considerada inconveniente para atuação em determinadas áreas da vida em sociedade, como a política, por exemplo. A partir do que está textualizado, é possível inferir que há uma representação discursiva positiva da figura feminina nos espaços da vida familiar, no lar, como responsável  pelas atividades oriundas desse ambiente. No entanto, o processo de tornar-se diferente do que está estabelecido socialmente,  resulta uma representação discursiva negativa. Esse conjunto de designações e redesignações   constrói e reconstrói   representações discursivas da figura feminina no jornal O PORVIR (Currais Novos / Rio Grande do Norte – 1926 / 1929) com  papéis semânticos diferentes:  mãe sublime, a obra mais perfeita da criação, e um bichinho que fala como um periquito, que permite passar de representações positivas a uma representação negativa, expressando uma visão preconceituosa de que a mulher está resignada aos  afazeres domésticos e não se adéqua como agente nas demais esferas da vida em sociedade.

 

 

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 349707 - LUIS ALVARO SGADARI PASSEGGI
Interno - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Externo à Instituição - ANA LUCIA TINOCO CABRAL - UNICSUL
Externo à Instituição - MICHELINE MATTEDI TOMAZI - UFES
Notícia cadastrada em: 14/11/2016 11:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao