Banca de DEFESA: JOSÉ ILTON LIMA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSÉ ILTON LIMA DE OLIVEIRA
DATA : 31/08/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Google Meet (https://meet.google.com/mxv-zatk-yxe)
TÍTULO:

FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS UTILIZADAS NA COMUNICAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DURANTE AS TRANSIÇÕES DE CUIDADO: REVISÃO SISTEMÁTICA E GUIA DE BOAS PRÁTICAS.



PALAVRAS-CHAVES:

Comunicação; Profissionais de Saúde, Transferência de Pacientes; Aplicativos de informática médica, Registros médicos eletrônicos, Revisão Sistemática.


PÁGINAS: 40
RESUMO:
Introdução: A comunicação efetiva foi estabelecida pela Organização Mundial de Saúde como uma meta internacional de segurança do paciente, visando a promoção de práticas de cuidado mais qualificadas e seguras em instituições hospitalares. Falhas em processos de comunicação entre profissionais de saúde estão relacionadas a erros assistenciais que resultam em danos ao paciente, e ocorrem principalmente nas transições de cuidado. Diretrizes estabelecidas pela Joint Commission International sugerem que a utilização de ferramentas tecnológicas promove melhorias na transferência de informações críticas durante transições de cuidado no contexto hospitalar. Objetivos: Investigar a efetividade do uso de aplicativos de informática médica/registros médicos eletrônicos na comunicação entre profissionais de saúde durante os processos de transição de cuidado de pacientes hospitalizados e elaborar um guia de boas práticas a partir da evidência científica analisada. Metodologia: Estudo de metodologia mista, de revisão da literatura e metodológico, composto de uma pesquisa de revisão sistemática, elaborada a partir de diretrizes do PRISMA e da elaboração de um guia de boas práticas para a implementação de ferramentas tecnológicas na transição de cuidado em ambiente hospitalar. A busca de estudos foi realizada e ajustada para cada um dos seguintes bancos de dados eletrônicos: Embase, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), LIVIVO, PubMed/Medline, Scopus e Web of Science. A pesquisa de literatura adicional incluiu pesquisas na Google Scholar e PROQUEST (literatura cinza). Foram incluídos ensaios clínicos randomizados e não randomizados que abordaram a população de indivíduos adultos de ambos os sexos com formação profissional em saúde (Médicos, Enfermeiros, Fisioterapeutas, Dentistas, Nutricionistas, Fonoaudiólogos,) atuantes em hospitais e que participaram em qualquer transição de cuidado reportando o uso de qualquer aplicação de informática médica ou registros eletrônicos de saúde ou sistemas de registros médicos computadorizados diretamente relacionados ao processo de comunicação. Foram avaliados desfechos relacionados à redução de eventos adversos e melhorias na comunicação durante as transições. O risco de viés dos estudos foi avaliado usando a ferramenta ROBBINS-I para os estudos não rondomizados, e RoB 2.0 para estudo randomizados. Para a elaboração do guia, foram consideradas as evidências trazidas pela análise dos dados da revisão sistemática. Resultados: Após buscas nas bases de dados, foram identificados um total de 2.770 estudos, sendo 10 selecionados para a análise. A maioria dos estudos relatou melhorias na comunicação, incluindo a troca mais eficiente de informações cruciais e a redução no tempo de transição. Entretanto, a relação entre a implementação dessas intervenções e a redução de eventos adversos foi menos clara, com vários estudos relatando desfechos mistos nessa área. A implementação de intervenções tecnológicas geralmente esteve acompanhada de treinamentos e melhorias na prática clínica. Adicionalmente, os estudos incluídos apresentaram uma variedade de limitações, incluindo possíveis vieses e dificuldades na medição de eventos adversos. Os estudos foram avaliados com moderado e alto risco de viés. O guia de boas práticas, considerando a evidência disponível foi apresentado. Conclusão: As intervenções eletrônicas têm potencial para melhorar a comunicação durante as transições de cuidado. Contudo, é importante destacar que o impacto positivo não pode ser atribuído unicamente às tecnologias empregadas, dado o papel dos treinamentos e melhorias na prática clínica abordados na maioria dos estudos. A eficácia dessas intervenções pode variar dependendo do contexto clínico, o que implica a necessidade de adaptação e personalização de acordo com o contexto específico. Pesquisas futuras de método robusto são necessárias para explorar mais profundamente essas nuances e otimizar a implementação das tecnologias na transição de cuidado no ambiente hospitalar.

MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 1262138 - ARYELLY DAYANE DA SILVA NUNES ARAÚJO - nullExterno à Instituição - Cristiano Miranda de Araujo - UTP
Presidente - 1717611 - JOSELI SOARES BRAZOROTTO
Externa ao Programa - 1573810 - KARINNA VERISSIMO MEIRA TAVEIRA - nullInterna - 2200719 - MARIA CLAUDIA MEDEIROS DANTAS DE RUBIM COSTA
Notícia cadastrada em: 15/08/2023 11:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao