Banca de QUALIFICAÇÃO: RALFO CAVALCANTI DE MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RALFO CAVALCANTI DE MEDEIROS
DATA : 16/05/2019
HORA: 09:00
LOCAL: sala de aula do PPGCSa
TÍTULO:

INVESTIGAÇÃO DOS FATORES EPIDEMIOLÓGICOS E GENOTÍPICOS DA HEPATITE VIRAL C NO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

Virus da Hepatite Viral C, Epidemiologia


PÁGINAS: 37
RESUMO:

INTRODUCAO: A hepatite pelo vírus da hepatite C acomete cerca de 180 milhões de pessoas em todo o mundo. Estima-se que no Brasil entre 1% e 3% da população estejam contaminados, sendo que a maioria desconhece esse diagnóstico. Sem sintomas específicos, a hepatite C evolui de forma imperceptível durante décadas. Além do desenvolvimento de cirrose, apresenta acentuada morbimortalidade devido às suas descompensações, e eventual evolução para o carcinoma hepatocelular, constituindo a causa mais frequente de indicação de transplante hepático. Para determinar as características epidemiológicas dos pacientes infectados com o vírus da Hepatite C no Rio Grande no Norte. MÉTODOS: Foi realizada análise prospectiva em 466 amostras de pacientes portadores de hepatite C crônica atendidos no laboratório Central Saúde Pública do Rio Grande do Norte entre 2012 e 2016. A identificação dos genótipos do HCV foi realizada por sequenciamento direto da região 5’ UTR, seguida de análise comparativa por alinhamento das sequências obtidas por RT PCR. Adicionalmente, foi realizada análise filogenética de variantes obtidas dentro de cada genótipo. RESULTADO: Do total analisado, 297 eram do sexo masculino e 169 do sexo feminino. A faixa etária variou entre 22 e 86 anos (mediana de 50). A frequência dos genótipos foram: g1b (n= 257), g1a(n=111), g3 (n=76), g2 (n-21) e g4 (n=3). No tocante a coinfecção, constatou-se coinfecção com hepatite A (n= 38), hepatite B, (n=34), vírus da imunodeficiência humana (n=10), doença de chagas (n=2), sífilis (n=3), citomegalovírus (n=7). Outros patógenos como toxoplasmose, esquistossomose, tuberculose e leishmaniose foram observados em um caso cada. CONCLUSOES: Pela prevalência encontrada, a infecção pelo vírus da hepatite C no município é discretamente maior que a relatada por outros estudos em outras regiões do Brasil, com faixa etária sugerindo infecção em um passado recente. Políticas públicas para identificação dos indivíduos infectados precisam ser intensificadas para conter a transmissão deste agente infeccioso. Políticas públicas para identificação dos indivíduos infectados precisam ser intensificadas para conter a transmissão deste agente infeccioso


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALDAIR DE SOUSA PAIVA - UFRN
Externa ao Programa - 1375489 - ANA CLAUDIA GALVAO FREIRE GOUVEIA
Presidente - 6349161 - GERALDO BARROSO CAVALCANTI JUNIOR
Notícia cadastrada em: 14/05/2019 08:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao