Banca de DEFESA: GILMARA CELLI MAIA DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GILMARA CELLI MAIA DE ALMEIDA
DATA: 17/10/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Departamento de Odontologia
TÍTULO:

ESTAFILOCOCCIAS, COLONIZAÇÃO NASAL POR STAPHYLOCOCCUS SPP. E FATORES ASSOCIADOS EM PACIENTES HOSPITALIZADOS EM CAICÓ-RN


PALAVRAS-CHAVES:

Infecções bacterianas, Staphylococcus aureus, Hospital, Epidemiologia


PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

As infecções por Staphylococcus têm sido cada vez mais evidentes nas últimas décadas, sendo este relevante em infecções humanas, principalmente em âmbito hospitalar. Os Staphylococcus, especialmente S. aureus e S. aureus resistente à meticilina (MRSA), destacam-se como colonizadores de feridas infectadas, as quais são fontes potenciais de contaminação cruzada em ambiente hospitalar. Assim, objetivou-se conhecer a prevalência de Staphylococcus spp. isolados de feridas em pacientes internados, verificar associação com fatores sociodemográficos, relativos à lesão e a internação com a presença de S. aureus e caracterizar os pacientes com presença de MRSA em ferida infectada e com colonização na mucosa nasal. Também foi objetivo da pesquisa identificar, a partir de prontuários médicos, a prevalência de estafilococcias e estreptococcias, verificando associação de fatores clínicos e relativos à internação com o tipo de infecção. A pesquisa foi dividida em duas etapas. Primeiramente, foram investigados os prontuários médicos dos pacientes internados no Hospital Regional do Seridó com estafilococcias ou estreptococcias entre 2008 e 2010 (n= 315), obtendo-se a prevalência das referidas infecções e a identificação de fatores como idade, sexo, sinais locais e sistêmicos, presença de comorbidades, local da infecção, realização de exames, tempo de internação e uso de antibióticos. Em um segundo momento da pesquisa, foram coletadas amostras em pacientes que apresentavam feridas e estavam internados na clínica médica, clínica cirúrgica ou Unidade de Terapia Intensiva do referido hospital. A coleta de amostras de ferida e da mucosa nasal foi realizada com swab estéril embebido em solução salina a 0,85%. No laboratório, o material foi semeado em ágar manitol salgado e incubado em estufa bacteriológica (37ºC-48 horas). As colônias com fermentação do manitol foram submetidas à coloração de Gram, teste da catalase e coagulase. Posteriormente, foram realizados antibiogramas para identificação de MRSA e, em seguida, realização de reação de polimerase em cadeia (PCR) para amplificação do gene mecA e confirmação das cepas de MRSA. Foi realizado teste do Qui-quadrado para verificar associação de variáveis independentes (idade, sexo, condições socioeconômicas, características da ferida, presença de doenças sistêmicas e fatores relativos à internação) com a presença de Staphylococcus em feridas. Mann Whitney e teste t de Student foram utilizados para verificar se havia diferença significativa entre as variáveis independentes e a colonização nasal por Staphylococcus spp. e entre as variáveis independentes e o tipo de infecção (estafilococcia e estreptococcia). Com base nos prontuários médicos, a classificação do tipo de infecção foi realizada em quase totalidade por critérios exclusivamente clínicos. Houve diferença significativa entre os grupos tratamento de estreptococcias e estafilococcias em relação à quantidade de antibióticos administrados (p=0,001) e número de dias internados (p<0,001), sendo maior no grupo com tratamento de estafilococcias. As feridas (n=125) foram de pacientes com idade média de 63.9 anos e 3.84 anos de estudo. A prevalência de Staphylococcus spp. em feridas foi 64.8 (n=81) e S. aureus 20% (n=25). Entre S. aureus, 32% (n=8) foram MRSA. A presença de S. aureus nasal (p<0,001), menos dias de antibiótico prévio à coleta (p=0,04) e hospitalização na clínica médica foram fatores associados à presença de S. aureus na ferida. MRSA foram isolados de indivíduos com uso prévio de antibióticos (37,5%), pacientes com 2 ou mais comorbidades (75%) e metade dos indivíduos com MRSA faleceram. Na análise de colonização nasal de parte dos pacientes da pesquisa (n=71), verificou-se que 44,4% apresentavam MRSA na narina, e aqueles com MRSA estavam significativamente associados ao tratamento prolongado com antibióticos (p=0,002). Diante dos resultados, verifica-se que as feridas são fontes de infecção por Staphylococcus, com expressiva frequência de S. aureus e MRSA. A mucosa nasal é um importante sítio para contaminação cruzada, com destaque para linhagens resistentes, principalmente quando há uso prolongado de antibióticos. Além disso, o diagnóstico de estafilococcias ocorre prioritariamente por critérios clínicos, o que pode contribuir para aumento da resistência dos microrganismos, quando realizados tratamentos empíricos inadequados. Assim, há necessidade de cuidados voltados ao tratamento de feridas e cautela no uso de antibióticos em pacientes internados, para evitar disseminação microbiana em ambiente hospitalar.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1149398 - EVELINE PIPOLO MILAN
Presidente - 277398 - KENIO COSTA DE LIMA
Externo ao Programa - 1645299 - MARISE REIS DE FREITAS
Externo à Instituição - MILTON DE UZEDA - UES-RJ
Externo à Instituição - SANDRA REGINA TORRES - UFRJ
Notícia cadastrada em: 08/10/2014 09:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao