Banca de DEFESA: JUAN DOS SANTOS SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JUAN DOS SANTOS SILVA
DATA : 23/05/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

UM FAROL NO MEIO DO SERTÃO: LITERATURA FÂNONE E CLUBES DE LEITURA DO IFRN COMO ARTICULADORES DE TECITURAS POLIFÔNICAS


PALAVRAS-CHAVES:

Comunidades de leitores. IFRN. Cidade. Polifonia. Identidade.


PÁGINAS: 499
RESUMO:

Este trabalho intenta reconhecer o processo de construção identitária resultante da participação de sujeitos em comunidades de leitores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), localizadas no interior do estado. Assim, parte-se da concepção de que a prática da leitura, mesmo quando solitária, envolve uma série de negociações entre leitor, autor, personagens e os planos de fundo sociais que os envolvem, transformando essa prática em uma atividade de caça (Certeau, 2014) e evidenciando a natureza dialógica dos enunciados, como proposto por Bakhtin e seu círculo de pensadores. Ao observar o processo de leitura nas comunidades de leitores IFRN, o fenômeno ganha capilaridade ao perceber o contexto dos sujeitos envolvidos nessas práticas, uma vez que quando estão na condição de moradores de cidades do interior estão mergulhados em uma realidade particular que, muitas vezes, podam suas possibilidades de performance identitária. Assim, a leitura para muitos estudantes é uma forma de ver e performar – de forma ficcional – aquilo que eles mesmos são, mas não podem falar sobre ou não possuem referências disso no meio em que vivem. Para compreender esse embate que evoca vozes dos sujeitos leitores, dos heróis das obras lidas, dos que compõem o corpo da escola e, por fim, dos que formam as cidades e regiões em que o IFRN se localiza, é fundamental a discussão em torno da polifonia (Bakhtin, 2008) para compreender como essa multiplicidade de vozes em equipolência constrói e reconstrói as identidades dos sujeitos que passam por esse processo. Na tentativa de compreender esse processo, com a devida anuência do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UFRN, sob número de parecer 5.731.083, serão realizadas entrevistas com doze pessoas envolvidas nesse processo, sendo nove ex-alunos participantes de comunidades de leitores do IFRN, e três professores que estiveram envolvidos nesses projetos. Esses relatos foram transformados em texto escrito e, a partir do processo metodológico das micro-histórias (Ginzburg, 2006) e, ancorados nas teorias de Bakhtin e do Círculo, sobretudo no que compete à polifonia, problematizamos as implicações dessas comunidades de leitores para a construção identitárias dos sujeitos nela envolvidas. Ao final da investigação, compreendemos que as cidades do interior do Rio Grande do Norte, em função do seu cronotopo idílico, tentam conter determinadas performances identitárias, as quais dependem de outros vetores subversivos, como o próprio IFRN e as comunidades de leitores, para pavimentar caminhos possíveis de ser e agir como se é nesses locais. Além disso, ficou evidente que esses processos discursivos que se dão entre a cidade, a escola e as práticas de leitura geram uma arena discursiva em que diversas vozes entram em conflito de negociações de verdade, instaurando um grande coro polifônico que pode ser representado a partir das narrativas daqueles que participaram desses processos e elucidam, a partir delas, o caráter inacabado e ideólogo desses sujeitos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - GILMEI FRANCISCO FLECK - UNIOESTE
Externo à Instituição - LUCAS VENICIO DE CARVALHO MACIEL - UFSCAR
Presidente - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Interno - 1000286 - ORISON MARDEN BANDEIRA DE MELO JUNIOR
Externa à Instituição - TACICLEIDE DANTAS VIEIRA
Notícia cadastrada em: 13/05/2024 14:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao