Banca de DEFESA: MARÍLIA MAIA SARAIVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARÍLIA MAIA SARAIVA
DATA : 01/09/2023
HORA: 14:00
LOCAL: CCHLA
TÍTULO:

A leitura literária subjetiva no IFRN, Campus Natal-Central: prática docente, romance e tradução intersemiótica


PALAVRAS-CHAVES:

Ensino de literatura. Leitura subjetiva. Leitura literária. Tradução intersemiótica. Romance. IFRN.


PÁGINAS: 128
RESUMO:

Neste trabalho, analisamos o ensino de literatura no ensino médio integrado à prática profissional do Campus Natal-Central do Instituto Federal e Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Para isso, partimos de nossa atuação/experiência como docente em turmas do 3º ano do ensino médio técnico integrado à prática profissional dos cursos de Controle Ambiental, Eletrotécnica e Administração do referido Campus. O debate sobre o ensino de literatura no ensino médio regular já é bastante desenvolvido, contando com referenciais teóricos relevantes: Aguiar, Bordini, 1993; Cereja, 2005; Cosson, 2006; Geraldi, 2003; Silva, 2005; Yunes, 2002; Zilberman, 1991. No entanto, estudos sobre o ensino de literatura para o ensino médio integrado à prática profissional ainda são pouco desenvolvidos, demonstrando a importância de nos voltarmos a esse campo, haja vista as especificidades do currículo técnico integrado à prática profissional no ensino médio. Assim, nossa pesquisa, de modo qualitativo e bibliográfico, discute sobre o processo de ensino e aprendizagem de literatura no IFRN, elabora uma proposta didática para a leitura literária do gênero romance e apresenta os resultados dessa proposta em trabalhos desenvolvidos pelos estudantes do 3º ano do ensino médio entre os anos de 2014 e 2017. No desenvolvimento dessa prática, partimos das discussões sobre o letramento literário e da sequência expandida (Cosson, 2006), ampliamos esses direcionamos teóricos e compreendemos a tradução intersemiótica, a partir da leitura subjetiva, como uma alternativa metodológica para o ensino de literatura na educação profissional. Nesse viés, o corpus analítico deste trabalho são as produções de tradução intersemiótica produzidas pelos estudantes a partir da leitura subjetiva do romance São Bernardo, de Graciliano Ramos. Para dar suporte às discussões sobre leitura subjetiva e tradução intersemiótica, amparamo-nos em Rouxel (2013), Langlade (2013), Jouve (2013), Rezende (2013) e Plaza (2010). Como resultado, constatamos que os estudantes demonstraram interesse no exercício da tradução intersemiótica, pois ficou nítida a afinidade com os signos visuais. Além disso, observamos que o contato com o texto literário também foi enriquecido, pois, para transformar a linguagem literária em outra linguagem artística, foi necessária uma aquisição subjetiva do texto base, consolidando, desse modo, o processo de letramento literário na escola.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1515458 - MARTA APARECIDA GARCIA GONCALVES
Interno - 1299003 - DERIVALDO DOS SANTOS
Externa à Instituição - DANIELA MARIA SEGABINAZI - UFPB
Externa à Instituição - IVONEIDE BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES - IFRN
Externa à Instituição - MARIA EDILEUZA DA COSTA - UERN
Notícia cadastrada em: 15/08/2023 10:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao