Banca de DEFESA: MIDIÃ ELLEN WHITE AQUINO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MIDIÃ ELLEN WHITE AQUINO
DATA : 22/07/2021
HORA: 14:30
LOCAL: UFRN - via google meets
TÍTULO:

CONFIGURAÇÕES DO ESPAÇO NA LITERATURA DE AUTORIA FEMININA: Maria Judite de Carvalho e Lygia Fagundes Telles



PALAVRAS-CHAVES:

 

 Espaço. Campo literário. Autoria Feminina. Heterotopia. Corpo-espaço feminino.



PÁGINAS: 167
RESUMO:

Esta tese apresenta um estudo comparativo entre as literaturas das escritoras Maria Judite de Carvalho (1921, Lisboa – 1998, Lisboa) e Lygia Fagundes Telles (1923, São Paulo –), tendo por objetivo analisar como o espaço social da autoria feminina é definido no campo literário luso-brasileiro e como os espaços narrativos são construídos nos contos “Além do Quadro” e “As palavras poupadas”, da autora portuguesa, “Venha Ver o Pôr do Sol” e “Noturno amarelo”, da escritora brasileira. Para tanto, o trabalho foi estruturado a partir de dois eixos teórico-metodológicos: o primeiro, com base nas ideias sobre campo literário e habitus de Pierre Bourdieu (1996, 2003, 2012, 2015), investiga-se por um viés sociológico a trajetória da autoria feminina em contextos heterogêneos para se compreender a maneira como as autoras interpretaram a sua época e conquistaram um lugar de consolidação no campo literário luso-brasileiro. A segunda perspectiva de análise tem como foco a construção do espaço enquanto categoria narrativa, objetivando examinar como os espaços heterotópicos são representados, de acordo com Michel Foucault ([1967] 2001). Portanto, analisa-se os lugares heterotópicos como sanatório, asilo, cemitério, espelho e jardim, observando as relações entre espaço e poder simbólico em confronto com os corpos-espaços femininos representados nos contos. Por considerar-se os corpos das personagens femininas analisadas também como heterotopias, algumas tipologias foram traçadas visando a compreensão de questões relativas à violência simbólicaque o poder androcêntrico impõe ao corpo-espaço das mulheres, são elas: corpo-espaço doente, corpo-espaço insubmisso, corpo-espaço dócil, corpo-espaço órfão, corpo-espaço coisificado, corpo-espaço cativo e corpo-espaço culpado. A partir da análise observa-se, portanto, que os espaços representados nas narrativas juditianas e lygianas refratam o contexto de opressão do sujeito feminino, são contraespaços que unidos ao simbólico traduzem o medo e a insegurança, o silêncio e a solidão, a precisa angústia da escritura feminina.  



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1423480 - WIEBKE ROBEN DE ALENCAR XAVIER
Interna - 3351552 - ROSANNE BEZERRA DE ARAUJO
Externa ao Programa - 1223367 - JULIANE VARGAS WELTER
Externa à Instituição - LUCIANA ELEONORA CALLADO DEPLAGNE
Externa à Instituição - MONA LISA BEZERRA TEIXEIRA - UERN
Notícia cadastrada em: 11/07/2021 22:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao