Banca de DEFESA: RAFAEL BARROS DE ALENCAR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAFAEL BARROS DE ALENCAR
DATA : 25/06/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Plataforma virtual
TÍTULO:

A PALO SECO: Uma aproximação neobarroca entre Belchior e João Cabral de Melo Neto


PALAVRAS-CHAVES:

A Palo Seco. Barroco. Signos Poéticos. Belchior. João Cabral de Melo Neto.


PÁGINAS: 111
RESUMO:

“Eu quero é que esse canto torto feito faca corte a carne de vocês” (NETO, 2019, p. 74). Esta pesquisa é desenvolvida na Literatura Comparada e tem como objetivo analisar características neobarrocas na obra de Belchior a partir do diálogo com signos poéticos presentes na obra de João Cabral de Melo Neto. O mote para esta pesquisa é “A Palo Seco”, um poema em João Cabral e uma canção em Belchior, do disco Mote e Glosa (1974). No poema cabralino, “A Palo Seco”, expressão espanhola que remete à matriz do flamenco, aparece associado à imagem da lâmina, ao “cante sem,/ a esse cante despido,/ é um cante desarmado:/ só a lâmina da voz/ sem a arma do braço” (SECCHIN, 1985, p. 146), signo poético utilizado também em outros poemas. A imagem da lâmina também é usada na obra de Belchior, não só na canção “A Palo Seco”, mas também em “Apenas um rapaz latino-americano”, “Pequeno mapa do tempo”, entre outras. Na pesquisa, duas perspectivas artísticas (João Cabral e Belchior), duas formas poéticas (a literatura e a música), um diálogo (Barroco e neobarroco) e cenários de análises (sertão, global, retirante, medo, cante a palo seco, a voz e a vida). O trabalho tem a organização em quatro capítulos, passando pela questão da aproximação da literatura com a música e mais especificamente pelo imbricamento desses temas na Literatura Comparada, seguida de um capítulo que observa as pesquisas já realizadas que envolvem Belchior e João Cabral de Melo Neto e, por fim, o capítulo analítico, que desenvolve o tema do neobarroco na obra do cancioneiro Belchior. Na sequência, temos o diálogo da literatura com a música partindo da teoria de autores como Francisco Ivan (2013), Verônica Moura (2014), Perrone-Moises (2016), Tania Franco Carvalhal (1991), Antônio Candido (1994), entre outros. Realizamos um levantamento sobre as pesquisas que envolvem Belchior e João Cabral, passando pelos trabalhos de autores como Josely Carlos (2007), Eurídice Figueiredo (2013), Jotabê Medeiros (2017), Glenda Moura (2014), José Américo Saraiva (2007), Lenise dos Santos Santiago (2007 e 2011), entre outros.  O caminho de análise passa por signos poéticos cabralinos barrocos, como a lâmina, a faca, o retirante, o regional e o global, o cante e a vida, que são apropriados na obra do cearense e, como aporte teórico para entender o neobarroco, trabalhamos com autores a exemplo de Severo Sarduy (1987), Francisco Ivan (2013), Francisco Israel de Carvalho (2012). Os resultados desta análise buscaram perceber características neobarrocas na obra de Belchior a partir desse contato com o barroco em João Cabral, presente nos signos poéticos que fazem diálogo entre as obras de ambos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3546280 - SAMUEL ANDERSON DE OLIVEIRA LIMA
Interno - 1299003 - DERIVALDO DOS SANTOS
Externo à Instituição - JOAO BATISTA DE MORAIS NETO - IFRN
Notícia cadastrada em: 05/06/2020 12:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao