Banca de DEFESA: ARTHUR BARROS DE FRANÇA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ARTHUR BARROS DE FRANÇA
DATA : 05/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO 1 DPP
TÍTULO:

MASTER OF NONE: EMBATES IDENTITÁRIOS NA CONTEMPORANEIDADE 


PALAVRAS-CHAVES:

Alteridade. Contemporaneidade. Seriado Netflix. Identidade cultural. Relações dialógicas. Vozes sociais.


PÁGINAS: 138
RESUMO:

A identidade, durante significativo tempo, foi definida lógico-sensivelmente, isto é, como aquilo que se repetia: homogeneidade, fixidez e imutabilidade. Os estudos culturais, por outro lado, apropriando-se de discussões em várias áreas do conhecimento a respeito da natureza histórico-cultural do ente humano, chegou à conclusão de que as vozes sociais integram sociossemioticamente a consciência individual – e nela interagem –, mostrando que o indivíduo não é tão uno conforme se pensava. Na contemporaneidade, momento em que as certezas têm se desvanecido com maiores intensidade e frequência, as representações construídas pelo/para eu tornam-se mais notáveis. A arte – sendo de ponta a ponta social – vai reverberar isso, o que implica dizer que a configuração enunciativa de sua esfera também é situada num espaço-tempo específicos. Nesse aspecto, a ideologia (enquanto axiologia e campo da atividade humana) é condição da atuação na terra pelo homem, razão pela qual a alteridade goza de fundamental importância na constituição da identidade. Consciente disso, esta pesquisa, a partir da concepção de linguagem bakhtiniana, debruça-se sobre os embates identitários das personagens no seriado “Master of None”, da empresa Netflix. Assim, analisam-se verbivocovisualmente os enunciados concretos materializados no eixo temático “gênero, raça, etnia e classe social”. A área na qual este trabalho se insere é a Linguística Aplicada, caracterizada como entre fronteiras, indisciplinar e constantemente questionadora de seu fazer. A postura metodológica desta investigação desenvolve-se dentro da abordagem qualitativa, com enfoque sócio-histórico e paradigma indiciário. Os resultados colocam em evidência, no enunciado artístico, as estratégias discursivas de monologização e abertura identitária. Nesse contexto, as personagens revelam tons discursivos situados, fazendo jus às identidades assumidas. Seus posicionamentos atuam para corroborar a perpetuação de um sentido ou para subvertê-lo ideologicamente.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Interno - 1168633 - MARILIA VARELLA BEZERRA DE FARIA
Externo à Instituição - WELLINGTON MEDEIROS DE ARAUJO - UERN
Notícia cadastrada em: 30/01/2018 14:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao