Banca de QUALIFICAÇÃO: RAQUEL DE ARAÚJO SERRÃO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAQUEL DE ARAÚJO SERRÃO
DATA : 16/10/2017
HORA: 14:30
LOCAL: A ser definido
TÍTULO:

NARRATIVA DE SI SOB OUTRAS VOZES SILENCIADAS EM UNA SOLA MUERTE NUMEROSA, DE NORA STREJILEVICH


PALAVRAS-CHAVES:

Testemunho, Ditadura, Violência, Literatura Argentina, Bakhtin


PÁGINAS: 150
RESUMO:

Esta pesquisa visa analisar o romance-testemunho Una sola muerte numerosa, publicado pela primeira vez em 1996, reeditado em 2006, de Nora Strejilevich. Essa obra ainda não traduzida ao português e tampouco estudada sob o olhar literário pelas academias no Brasil, se nos apresenta como uma obra para refletir a relação Literatura e violência. Ao considerar a totalidade da trama, elaboramos alguns questionamentos pertinentes para a compreensão de sua escrita, considerando o estilo em razão do contexto repressivo de seu tecido narrativo. Dentro das questões que orientam a investigação, observamos, sobretudo, o heterodiscurso e o aspecto heterovocal, favorecendo a observação também do cronotopo, formal na obra. Essas esferas categóricas nos auxiliam a pensar as questões da pesquisa: Como a violência de Estado é refratada na obra? Que traços diferenciais tem a obra com relação aos testemunhos tradicionalmente conhecidos na literatura latino-americana? Quando se compara à estrutura comum à maioria das produções literárias consideradas testemunhais, sem dúvida, temos no romance um diferencial estético. Apresenta-se como uma composição estética dialógica por trazer os discursos sociais em dissonância na narrativa. Além desse aspecto dialógico, a fragmentação narrativa é um aspecto imprescindível ao analisar Una sola muerte numerosa, não segue uma linearidade dos eventos, mimetizando as rupturas pelo contexto sócio-político ditatorial argentino de 1976 a 1983. A partir do estudo da formalização estética do romance, buscamos entender de que modo a violência vem participar como categoria temática eixo de sua composição. Nosso estudo, no entanto, não pretende esgotar as possibilidades interpretativas da obra, nem pretende debruçar-se sobre a situação sócio-político de uma época, mas observar o diálogo entre a obra e o contexto. Tomamos como base teórica o Círculo de Bakthin, auxiliada por outros estudos que versão sobre a relação Literatura, Memória e Testemunho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1513790 - ANDREY PEREIRA DE OLIVEIRA
Interno - 3546280 - SAMUEL ANDERSON DE OLIVEIRA LIMA
Externo à Instituição - JOÃO BATISTA DE MORAIS NETO - IFRN
Notícia cadastrada em: 26/09/2017 17:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao