Banca de DEFESA: MARIA JOSÉ CAVALCANTE DE LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA JOSÉ CAVALCANTE DE LIMA
DATA : 22/02/2017
HORA: 14:30
LOCAL: Auditorio E
TÍTULO:

O PORTFÓLIO COMO GÊNERO DISCURSIVO

DESVELADOR DAS VOZES DE PROFESSORAS TECELÃS


PALAVRAS-CHAVES:

Portfólio. Formação Docente Continuada. Gênero discursivo. Elaboração didática do GESTAR II.


PÁGINAS: 150
RESUMO:

Partindo da concepção de linguagem produzida pelo Círculo de Bakhtin, esta pesquisa de doutorado tem como objetivo analisar enunciados produzidos por professoras em formação continuada no âmbito do Gestar II, tendo o gênero discursivo portfólio como catalisador do processo de desvelamento das vozes de professoras tecelãs. Realizada com participantes do Programa Gestar da Aprendizagem Escolar – GESTAR II, Programa de Formação Docente Continuada, oferecido pelo Ministério da Educação - MEC, na modalidade semipresencial, destinado aos professores do 6º ao 9º ano, do Ensino Fundamental, em Língua Portuguesa. Pretende-se compreender, a partir dos enunciados selecionados para o corpus, como a professora que passou pelo processo de formação docente continuada do Gestar II mobiliza, atualiza, constrói e elabora didaticamente conhecimentos em situações cotidianas de sala de aula, principalmente, no que concerne à concepção de linguagem, de ensino e de escrita. Busca-se, também, perceber no portfólio, como esse curso de formação continuada, o GESTAR II, influencia às práticas pedagógicas do ensino de Língua Portuguesa em sala de aula. Na tese, analisam-se as práticas discursivas, sobre o gênero portfólio a partir dos conceitos bakhtinianos de dialogismo e vozes sociais presentes em enunciados que materializam o conhecimento das professoras. Além de ter como referência a teoria dialógica da linguagem, as concepções de enunciado e de gênero discursivo de Bakhtin e seu círculo (1992), a abordagem de Villas Boas (2005) sobre portfólio e de Halté (1998) sobre o fenômeno da Elaboração Didática e numa visão mais ampliada, abordamos a Formação Docente Continuada com base em Nóvoa (2009). Na análise, interpretamos cinco portfólios, procurando entender a forma como os posicionamentos das professoras aparecem nos textos. Apreende-se dessa pesquisa que, tornar-se professora tecelã é saber elaborar didaticamente os conteúdos em sala de aula, reconhecer que o erro faz parte do processo de formação inicial e continuada do professor; que o registro escrito, tanto das vivências pessoais como das práticas profissionais, é essencial para se adquirir maior consciência do seu trabalho e de sua identidade como professor; e que a teoria é indissociável da prática. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Interno - 047.613.914-72 - MARIA BERNADETE FERNANDES DE OLIVEIRA - UFRN
Interno - 1168633 - MARILIA VARELLA BEZERRA DE FARIA
Externo à Instituição - ARACELI SOBREIRA BENEVIDES - UERN
Externo à Instituição - ROSINEIDE DE MELO - FSA
Notícia cadastrada em: 09/02/2017 09:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao