Banca de DEFESA: FERNANDA NAYARA DA SILVA MENDONÇA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FERNANDA NAYARA DA SILVA MENDONÇA
DATA : 28/07/2017
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório E do CCHLA
TÍTULO:

Letramento literário: crônicas como instrumento de humanização do leitor


PALAVRAS-CHAVES:

Letramento literário. Projetos de letramento. Formação do leitor.


PÁGINAS: 48
RESUMO:

O mundo social é mediado textualmente (BARTON, 1993). Em razão disso, as práticas de leitura e de escrita efetivam-se, sempre, por meio de gêneros textuais. É através destes que se pode agir socialmente. Na educação contemporânea, entretanto, ainda persiste a prática de se ler e escrever apenas para o professor avaliar, circulando os textos dos alunos somente no contexto da sala de aula. Com vistas a uma mudança nesse modo de trabalhar, vislumbramos, nesta pesquisa, os projetos de letramento como um dispositivo didático imprescindível para que haja uma transformação na educação. O objeto de estudo desta pesquisa são, desse modo, as práticas e eventos de letramento desenvolvidos por meio de um projeto de letramento literário, com foco na produção de crônicas cujo objetivo é (1) ressignificar as práticas da leitura e da escrita na escola por meio da literatura, de modo a formar leitores críticos; (2) potencializar a leitura de crônicas como instrumento que viabiliza o processo de humanização do leitor; (3) criar um recurso (livro) didático para a publicação e divulgação no meio impresso. A pesquisa foi desenvolvida em uma escola municipal de Guanduba, São Gonçalo do Amarante – RN, região metropolitana de Natal, por alunos do 5º ano do ensino fundamental I. Tem como embasamento teórico as contribuições dos estudos sobre letramento (STRETT, 2012; KLEIMAN,1995); letramento literário (COSSON, 2007); gênero textual na perspectiva dos estudos da Nova Retórica (BAZERMAN, 2006; OLIVEIRA, 2010) e projetos de letramento (KLEIMAN, 2000; SANTOS, 2012; OLIVEIRA; TINOCO; SANTOS, 2011). Nosso enfoque metodológico é o paradigma qualitativo interpretativista, com o viés da etnografia crítica (MOITA LOPES, 1993; THOMAS, 1993) que nos proporciona o mapeamento das práticas de leitura e de escrita dos alunos. As análises dos dados apontam para o potencial fortalecedor do letramento literário em face da articulação escola-família e para a ressignificação das práticas de leitura e escrita orientadas nessa perspectiva.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - IVONEIDE BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES - IFRN
Presidente - 332207 - MARIA DO SOCORRO OLIVEIRA
Externo ao Programa - 1688188 - MOISES ALBERTO CALLE AGUIRRE
Notícia cadastrada em: 14/07/2017 10:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao