Banca de DEFESA: ANDERSON SOUZA DA SILVA LANZILLO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANDERSON SOUZA DA SILVA LANZILLO
DATA : 05/12/2016
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório 01 de Políticas Públicas
TÍTULO:



 

PONTO DE VISTA E RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA EM SENTENÇAS JUDICIAIS DE PEDIDO DE FALÊNCIA



PALAVRAS-CHAVES:

 

 

 

Análise Textual dos Discursos.

Gênero Sentença Judicial.

Ponto de Vista.

Responsabilidade Enunciativa.



PÁGINAS: 180
RESUMO:

 

O objetivo geral de nossa tese é focalizar o ponto de vista (PDV) e a responsabilidade enunciativa (RE) no gênero discursivo sentença judicial de pedido de falência. O estudo do PDV e da RE foram realizados numa perspectiva textual-enunciativa, pela qual toma a enunciação como fator de construção do sentido do texto (coesão enunciativa). Estabelecemos como objetivos específicos identificar, descrever, analisar e interpretar marcas linguísticas no texto a partir das categorias textuais e enunciativas selecionadas.  Nossa investigação insere-se em um contexto de estudos do discurso jurídico no âmbito das ciências da linguagem, um campo de estudos ainda pouco explorado, mas que a cada dia recebe mais atenção dos investigadores. A pesquisa situa-se na linha de estudos linguísticos do texto, tomando como base teórica a Análise Textual dos Discursos (ATD), conforme a proposta de Adam (2011), decorrente da Linguística do Texto, e da Linguística da Enunciação. Dessa forma, nosso quadro teórico focaliza quatro eixos gerais (texto, gênero, enunciação e discurso) e duas categorias de análises (PDV e RE). Adotamos a concepção de gênero do discurso de Bakhtin (1996), a qual é seguida por Adam (2011), igualmente por outros teóricos, como, por exemplo, como Bazerman (2006) e Miller (2012). Os estudos do Ponto de Vista (PDV) e da Responsabilidade Enunciativa (RE) desenvolvidos por Rabatel (2008, 2009, 2013, 2015) são adotados como base teórica geral da análise da enunciação e do que postulamos como “operações textuais de construção do ponto de vista”. O corpus da pesquisa é constituído por 13 sentenças judiciais decorrentes do pedido de falência de um credor contra um devedor. A realização da investigação tomou como parâmetro de análise a construção textual do PDV do juiz (L1/E1) acerca da decretação de falência do réu (e3) pedida pelo autor (e2). A análise do corpus aponta como resultado que a construção do PDV pelo juiz é realizada por diversos mecanismos linguísticos, textuais e discursivos, os quais mostram que a RE, ora é assumida pelo L1/E1, ora imputando essa responsabilidade a outros enunciadores, especialmente os enunciadores: autor e réu. Ainda se verificara a ocorrência de uso de quadros mediativos (Guentchéva, 1994, 1996, 2011, 2014) por meio dos quais o juiz não assume a RE pelo conteúdo proposicional, imputando-a a outros enunciadores. Observou-se, a partir da construção do PDV do juiz (L1/E1) a recorrência da assunção da RE pelo juiz (L1/E1), nas seções de fundamentação e de dispositivo enquanto no relatório predomina a imputação. Na perspectiva da coesão enunciativa proposta pela nossa tese, foi verificado que o PDV do juiz é construído, na dimensão do acordo-desacordo, de maneira variável conforme cada parte do plano de texto da sentença judicial (neutralidade no relatório; realização de acordo/desacordo na fundamentação; realização ou de acordo ou de desacordo no dispositivo). Por fim, a realização do acordo é feita nessas sentenças em muitos casos por mecanismos de coconstrução do PDV (coenunciação, sobrenunciação e subenunciação) entre o juiz e enunciadores segundos, mecanismos esses que se manifestam predominantemente na parte da fundamentação da sentença judicial.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CELIA MARIA MEDEIROS BARBOSA DA SILVA - UNP
Interno - 337223 - JOAO GOMES DA SILVA NETO
Interno - 349707 - LUIS ALVARO SGADARI PASSEGGI
Presidente - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Externo à Instituição - ROSALICE BOTELHO WAKIM SOUZA PINTO - UNL
Externo ao Programa - 1298976 - YANKO MARCIUS DE ALENCAR XAVIER
Notícia cadastrada em: 21/10/2016 15:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao