Banca de DEFESA: MARIA GUADALUPE SEGUNDA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA GUADALUPE SEGUNDA
DATA: 19/02/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Auditorio D - CCHLA
TÍTULO:

SER-TÃO DE BURITI: “o corpo de noturno rumor”

(A poética de Guimarães Rosa e o pensamento literário contemporâneo)


PALAVRAS-CHAVES:

Narrativa rizomática. Escritura rosiana. Imagem-tempo. Mitopoiesis. Teatralidade.


PÁGINAS: 212
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

Esta tese tem como objeto de estudo a análise da tessitura ficcional de Buriti, novela de Guimarães Rosa, constante da obra Corpo de Baile. Constitui-se como principal referência o aporte filosófico de Gilles Deleuze e outros teóricos afins, como Mircea Eliade, Derrida, Bataille, Félix Guattari, Foucault, Blanchot e Nietzsche, os quais, a exemplo da escrita problematizadora de Guimarães Rosa, apresentam como matriz básica do pensamento a desterritorialização dos conceitos, das normas, do conhecimento institucionalizado pela estrutura canônica da língua. Em confluência com a perspectiva teórica de alteridade vigente nesses autores, Buriti se encontra atravessada por uma estética fundamentada na multiplicidade de pontos de vista narrativos, abrindo brechas para outras vozes não sacralizadas, nômades, utilizando a polifonia como uma forma de transgredir, desestabilizar verdades cristalizadas, pertinentes aos cânones da língua pátria. Entretecida por uma vertente poética, de transgressão, a narrativa de Buriti se acha especialmente marcada pelos signos do sertão e da noite, os quais apontam rizomaticamente para um sentido de infinitude, de eternidade, de solidão, de vertigens ante o abissal, evocando a singularidade de um ser-tão ante a noite, “o corpo de noturno rumor.” As noites do sertão em Buriti dão margem à irrupção de um estado de subjetividade, o ser-tão, cuja natureza se mostra como um espaço de comunhão dos diversos seres, em que os humanos se colocam no mesmo plano de outros seres vivos, configurando um território cósmico de partilha, de fruição entre a dor e o prazer, entre a morte e a vida. É a noite que em meio às trevas, à escuridão, revela o ser-tão, o ser em suas entranhas, confrontando-se com ele mesmo, com seus rumores internos, que se projetam através dos ruídos, dos barulhos da noite amplificados pela vastidão, pelo desértico do sertão. “O sertão é de noite.” (ROSA, 1988, p.92).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 270.058.107-59 - ILZA MATIAS DE SOUSA - UFRN
Interno - 1496892 - MARCIO VENICIO BARBOSA
Interno - 1515458 - MARTA APARECIDA GARCIA GONCALVES
Externo à Instituição - RAIMUNDO LEONTINO LEITE GONDIM FILHO - UERN
Externo à Instituição - RAIMUNDO NONATO GURGEL SOARES - UFRRJ
Notícia cadastrada em: 21/01/2016 09:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao