Banca de DEFESA: BRUNA RODRIGUES MONTEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BRUNA RODRIGUES MONTEIRO
DATA : 17/12/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Departamento de Enfermagem
TÍTULO:

Fatores intervenientes no contato pele a pele entre mãe-bebê na primeira hora após o parto normal. 


PALAVRAS-CHAVES:

Relações Mãe-filho; Atenção à Saúde; Trabalho de Parto; Enfermagem Obstétrica.

 


PÁGINAS: 80
RESUMO:

O Contato pele a pele entre mãe-bebê após o parto normal é, por vezes, considerada fragmentada; sobretudo quando há fatores que intervém na execução das boas práticas obstétricas, o que forma lacunas entre o recomendado pela Organização Mundial da Saúde, Ministério da Saúde e o executado na realidade social. Nesse cenário, este estudo teve como objetivo analisar os fatores que interferem no contato pelea peleentre mãe-bebê na primeira hora após o parto normal. Trata-se de um estudo observacional transversal, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada na Maternidade Leide Morais e no Hospital Universitário Ana Bezerra, ambas referências no parto de risco habitual no estado do Rio Grande do Norte.A amostra foi composta por 105 parturientes internadas no setor de pré-parto, parto e puerpério a partir do seguinte critério de elegibilidade: idade gestacional > 37 semanas; gestante de risco habitual, e que estavam na iminência do parto normal. A coleta dos dados ocorreuno período de maio a julho de 2019, por meio de uminstrumento estruturado com base na literatura cientifica e nas recomendações ministeriais, totalizando 36 questões. Para analise os dados foram inseridos em um banco de dados e analisados quantitativamente por estatística descritiva e inferencial utilizando-se o Software Statistical Package for the Social Sciences versão 20.0. O nível de significância adotado foi de 5% com intervalo de confiança de 95%. O estudo teve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte sob o número do parecer 3.187.28. Identificou-se que dos 63 partos observados na maternidade Leide Morais e dos 42 partos observados no Ana Bezerra o inicio do contato imediato foi favorecido pela obstetrícia 62 (59%) e interrompida pela pediatria 85 (80%). Em relação aos fatores responsáveis pelo atraso no contato pele a pele 6,6% (7) dos recém-nascido vivenciaram intercorrências, enquanto que 5,7% (6) passaram por procedimentos neonatais antes do contato, sendo ausentes fatores maternos neste período. Enquanto que os fatores responsáveis pela interrupção do contato pele a pele foram observados em 67,6% (71) dos partos procedimentos em neonatos, seguido por intercorrências neonatais 15,2% (16). No seguimento, verificou-se que o contato ocorreu imediatamente após o parto normal em 87,6% (92) dos casos, no entanto apenas três recém-nascidos (2,8%) vivenciaram a hora dourada e a maior durabilidade do contato pele a pele foi registrado entre um e cinco minutos de vida do recém-nascido em 82,8% (87) dos partos. O estudo permitiu a identificação de fatores que intervém no contato pele a pele entre mãe-bebê, tanto no aspecto de atraso quanto na durabilidade e interrupção, permitindo assim propostas para redução dos procedimentos não recomendados e sem evidências cientificas no intraparto observados no presente estudo.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ANA BEATRIZ DE ALMEIDA MEDEIROS MOURA - EBSERH
Externa à Instituição - ANA LÚCIA DE MEDEIROS CABRAL - UFPB
Interna - 1995800 - ERIKA SIMONE GALVAO PINTO
Presidente - 3168491 - NILBA LIMA DE SOUZA
Notícia cadastrada em: 05/11/2019 16:35
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao