Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA ANDREA BARBOSA MAUX

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA ANDREA BARBOSA MAUX
DATA: 17/06/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório de Psicologia
TÍTULO:

Masculinidade à prova: um estudo fenomenológico-hermenêutico sobre a infertilidade masculina


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Infertilidade; masculinidade; pesquisa fenomenológica; fenomenologia; gênero.


PÁGINAS: 136
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Culturalmente, tanto para homens quanto para mulheres, procriar é compreendido como uma situação que o sujeito irá vivenciar em algum momento de sua vida, em especial as pessoas casadas ou que mantêm uma relação afetiva semelhante. Descobrir-se incapaz de cumprir com tal destino naturalizado culturalmente parece ser desencadeador de sofrimento, frustração e sentimentos de incapacidade e impotência. Especificamente para o homem, a infertilidade está estreitamente relacionada com perda de masculinidade, de virilidade. Ele fracassa em seu papel de macho. O presente estudo buscou compreender os impactos que a infertilidade produz na existência do homem que recebe tal diagnóstico, tanto na autoimagem quanto no papel conjugal, sexual e profissional. Como objetivos específicos buscamos investigar em que aspectos a descoberta da infertilidade afetou o desempenho afetivo-sexual com a companheira; discutir como o homem avalia seu desempenho profissional desde a descoberta da infertilidade; refletir sobre os sentidos que ter filhos tem para o homem e conhecer as possibilidades de superação ou enfrentamento da infertilidade. Tal estudo configura-se como uma pesquisa fenomenológica-hermenêutica, baseada nas ideias heideggerianas. Participaram do estudo sete colaboradores, com quem realizamos duas entrevistas individuais. Suas narrativas nos possibilitaram uma aproximação com os sentidos presentes nas suas existências. Também foi realizado um momento após o término de cada entrevista, no qual a entrevistadora anotava em um caderno as impressões imediatamente sentidas por ocasião daquele encontro. O passo de análise do material, que compreendemos já ter tido início no próprio processo de construção da pesquisa, compreendeu tanto o material das narrativas como do caderno de anotações. Até o momento foi analisado o material referente às entrevistas dos três primeiros colaboradores, o que nos possibilitou preliminarmente observar que, diante da ausência da gravidez da companheira, a simples ideia de cogitar que eles possam ser inférteis gera incômodo e afeta seu autoconceito, porque eles fazem associação entre masculinidade, virilidade, potência e fertilidade. Receber o diagnóstico leva a um questionamento a respeito de sua masculinidade, de seu papel dentro da relação conjugal e da própria existência. Também observamos que, para os colaboradores cujas narrativas já foram interpretadas, reconhecer-se na condição de homem infértil vai além de um diagnóstico médico, mas de um sentido construído a partir de sua aproximação com tal condição, o que auxilia no redirecionamento de suas escolhas. Outro resultado observado diz respeito à condição ontológica de solicitude que caracteriza o ser humano. As várias formas como socialmente os homens são tratados demonstra um tipo de cuidado no qual, ao mesmo tempo em que se valoriza características como força, virilidade e determinação, há uma proteção para que eles não se aproximem de sofrimento ou sejam poupados de situações emocionalmente difíceis, como é o caso do diagnóstico de infertilidade. Ressaltamos que estes são resultados preliminares, tendo em vista que ainda estamos no momento de análise do material e somente três entrevistas foram analisadas. Esperamos, ao final deste trabalho, contribuir com as reflexões sobre a questão da masculinidade, em especial da experiência de se saber um homem infértil, contribuindo tanto para a literatura sobre gênero como para o aprofundamento e a divulgação de estudos sob a ótica fenomenológico-existencial. Também é relevante enquanto conhecimento sobre a sexualidade masculina, podendo contribuir para as políticas públicas voltadas para a saúde reprodutiva, em especial a saúde reprodutiva do homem.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347529 - ELZA MARIA DO SOCORRO DUTRA
Externo ao Programa - 1348383 - GEORGE DANTAS DE AZEVEDO
Interno - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Notícia cadastrada em: 04/06/2013 19:41
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao