Banca de QUALIFICAÇÃO: CANDIDA MARIA BEZERRA DANTAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CANDIDA MARIA BEZERRA DANTAS
DATA: 20/06/2013
HORA: 08:30
LOCAL: LABORATÓRIO DE PSICOLOGIA
TÍTULO:

A ação do psicólogo no cotidiano da assistência social: “interiorização da profissão” e combate à pobreza


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Psicologia, assistência social, “interiorização da profissão”.


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

As condições de pobreza e miséria marcam o cotidiano das sociedades capitalistas e invadem todas as esferas da vida, de modo que fenômenos como violência, falta de moradia, desemprego, precarização do trabalho, fome, fadiga, trabalho infantil, analfabetismo, entre outras sequelas, caminham ao lado da dificuldade de acesso a um determinado nível de renda capaz de garantir condições dignas de existência. No entanto, é fato que ao longo da história verifica-se um aumento da preocupação e a presença de intervenções que, se não pretendem erradicarem por completo a pobreza e a miséria da vida social, ao menos objetivam amenizar o sofrimento daqueles que vivem em condições adversas de vida, garantindo uma proclamada e ilusória paz social. Em âmbito nacional, os avanços no texto da Constituição de 1988 possibilitam um alargamento, embora lento e gradual, dos direitos sociais no Brasil. A proposição da Seguridade Social, baseado no tripé Saúde, Previdência e Assistência Social, representa uma inflexão no desenvolvimento de políticas sociais públicas no país. Ganha força a compreensão da política social como direito, ao menos conceitualmente, retirando das ações voltadas para a população pobre o caráter assistencialista e a concepção de favor.  Em 2003, assume a Presidência da República, Luís Inácio Lula da Silva pelo Partido dos Trabalhadores. Representante histórico da ala esquerdista do país e vinculado ao movimento sindical nos anos 1980, o então presidente eleito define, já no seu discurso de posse, o que será uma das prioridades de governo: o combate à miséria, pobreza e a fome. Desde então, verifica-se um incremento em políticas de combate à pobreza, tanto por meio de ações diretas de transferência de renda, especialmente com o Bolsa Família, quanto pelo fortalecimento de serviços e programas voltados as populações pobres, com a estruturação do Sistema Único de Assistência Social, estruturado e hierarquizado em Proteção Social Básica e Especial. A proteção social básica destina-se à população que vive em situação de vulnerabilidade social decorrente da pobreza, privação e/ou fragilização dos vínculos afetivos e fica sob a responsabilidade dos Centros de Referência da Assistência Social - CRAS. Já a proteção social especial objetiva prover atenção socioassistencial a famílias e indivíduos em situação de direitos violados e tem como unidade de referência os Centros de Referência Especial da Assistência Social – CREAS. A participação do psicólogo nas equipes profissionais do CRAS constitui um importante elemento para a discussão da inserção desse profissional no campo das políticas sociais no Brasil, considerando os limites estruturais postos pelo caráter compensatório dessas políticas, mas, principalmente, apontando para possibilidades de construção de estratégias que respondam as demandas da população atendida e que possam resultar em uma mudança efetiva nas condições de vida das camadas mais pobres da sociedade. Aliado a isso, a inserção na proteção social básica revela outro elemento fundamental para a Psicologia, como ciência e profissão no Brasil. Por meio do ingresso no campo da assistência social, um número significativo de profissionais passa a atuar em cidades pequenas e médias, fora dos tradicionais centros urbanos, constituindo um movimento que se denomina, neste trabalho, de “interiorização da profissão”.  Diante do exposto, propõe-se neste trabalho uma discussão em torno de dois eixos fundamentais. No primeiro é discutido o campo da proteção social básica como espaço privilegiado de reflexão acerca da prática cotidiana do psicólogo nas políticas de combate à pobreza, considerando a dimensão política da ação profissional e o seu impacto nas condições de vida da população atendida. O segundo eixo diz respeito ao processo de “interiorização da profissão” e suas implicações para a produção de conhecimento e prática psicológica, considerando as especificidades econômicas, sociais e culturais que permeiam o cotidiano das pequenas e médias cidades. Portanto, o objetivo geral do trabalho é analisar a ação profissional do psicólogo no cotidiano das políticas de combate à pobreza capitaneadas pela Assistência Social em municípios do interior do Rio Grande do Norte. Como objetivos específicos, têm-se: (a) reconstruir o movimento histórico de mudanças no campo social que permite a abertura de espaço para o profissional de psicologia nas políticas de combate à pobreza; (b) mapear a rede de proteção social básica do Rio Grande do Norte e os psicólogos atuantes nos equipamentos; (c) discutir a dimensão política da ação profissional do psicólogo, considerando o cotidiano de trabalho com populações pobres em municípios de pequeno e médio porte. Para tanto, propõe-se uma discussão histórica e conceitual da pobreza e do campo do bem estar social nos marcos da sociedade capitalista, com destaque para as particularidades assumidas no contexto de desenvolvimento capitalista brasileiro. Em seguida, é empreendido um resgate da assistência social e sua trajetória de desenvolvimento no Brasil, de modo a identificar os determinantes políticos, históricos e sociais da prática do psicólogo neste campo. Posteriormente, é trabalhado o desenvolvimento histórico da Psicologia como ciência e profissão, seu caráter eminentemente urbano e sua inserção no campo da assistência social, com especial destaque para a construção de um discurso acadêmico-profissional que credencia a Psicologia como profissão a atuar de forma a transformar a sociedade. Por fim, discute-se a ação profissional do psicólogo a partir de duas categorias de análise: cotidiano e dimensão política, com o objetivo de desenvolver uma compreensão mais aprofundada dos determinantes estruturais e políticos da atuação profissional na assistência social. Com relação ao método, a coleta de dados ocorre em duas etapas: (1) levantamento dos equipamentos e dos psicólogos atuantes na proteção social básica da rede de assistência social do estado do Rio Grande do Norte, por meio do CadSuas do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social. (2) realização de entrevista semi-estruturada com psicólogos atuantes na proteção social básica em municípios de pequeno e médio porte no estado do Rio Grande do Norte.
As informações foram sistematizadas, utilizando, de acordo com as exigências de análise, o software QDA Miner v.3.2 (Qualitative Data Analysis Miner). O conjunto do material obtido está sendo analisado, segundo indicações de pesquisas com essa modalidade de corpus (e.g., Bauer & Gaskell, 2002), e teórico-metodologicamente pelas referências marxianas (e.g., Kosik, 1969; Lukács, 1979; Marx, 1986).

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1149382 - IRIS MARIA DE OLIVEIRA
Presidente - 1205730 - ISABEL MARIA FARIAS FERNANDES DE OLIVEIRA
Externo à Instituição - JOAO PAULO SALES MACEDO - UFPI
Interno - 1293170 - MAGDA DINIZ BEZERRA DIMENSTEIN
Notícia cadastrada em: 13/05/2013 09:32
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao