Banca de DEFESA: ADRIANA RAQUEL NEGRÃO DUARTE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA RAQUEL NEGRÃO DUARTE
DATA: 13/03/2013
HORA: 10:00
LOCAL: auditorio de psicologia
TÍTULO:

Reflexões sobre a formação clínica fenomenológico-existencial na Era da Técnica.



PALAVRAS-CHAVES:

formação do psicólogo; fenomenologia; técnica; Heidegger; práticas clínicas.



PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

No presente estudo, a Fenomenologia é destacada pela dimensão de sua crítica aos limites da ciência positivista, ciência esta que rege a grande maioria das áreas do conhecimento, abrangendo, inclusive, a própria Psicologia. No que se refere ao processo de formação clínica no curso de Psicologia, existe uma dificuldade peculiar por parte dos estudantes-estagiários que adotam a fenomenologia como referencial clínico. Tal dificuldade se deve à incompatibilidade entre o aporte teórico advindo do curso de Psicologia, ciência esta pautada, tradicionalmente, em paradigmas cientificistas, e a proposta teórico-metodológica adotada pela abordagem supracitada. Como pano de fundo deste cenário, buscamos um aprofundamento no pensamento do filósofo Martin Heidegger, principalmente no que se refere à Era da Técnica. Esta sociedade tecnicista e contemporânea foi abordada para que pudéssemos entender o cenário sócio-cultural em que esta formação está inserida. Diante disso, questionamos se esse panorama no qual a Psicologia Clínica repousa favorece o desenvolvimento de uma atitude fenomenológica e de um olhar diferenciado para os sentidos da existência, tal como é pensado na clínica fenomenológica. Reconhecendo esses limites, tivemos como objetivo de pesquisa compreender a experiência de formação de psicólogos clínicos que desenvolvem estágio na perspectiva fenomenológico-existencial. Tal estudo se configurou, portanto, como uma pesquisa fenomenológico-hermenêutica, baseada na ontologia heideggeriana, e utilizou como instrumento de acesso à experiência a entrevista semi-estruturada. Os participantes desta pesquisa foram seis estagiários do curso de Psicologia da UFRN que estavam desenvolvendo estágio supervisionado em psicologia clínica na abordagem referenciada. A pesquisa revelou que a etapa de formação fenomenológico-existencial abre uma possibilidade de descobertas por parte do estudante estagiário que transcendem a dimensão do outro, pois refletem um auto desvelamento enquanto pessoa lançada no mundo. Embora com os desconfortos iniciais pelo próprio formato do currículo do curso e pela liberdade de atuação clínica, característica da fenomenologia, as narrativas demonstraram que tais dificuldades são capazes de instaurar um processo de busca por novos sentidos, sentidos estes que refletem uma busca por uma afinação de suas práticas e um trilhar de caminhos no compasso com a existência do outro.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347529 - ELZA MARIA DO SOCORRO DUTRA
Externo à Instituição - ROBERTO NOVAES DE SA - UFF
Interno - 6350812 - SYMONE FERNANDES DE MELO
Notícia cadastrada em: 14/02/2013 15:40
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao