Banca de DEFESA: ALENUSKA NADJA REGO DE QUEIROZ SOARES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALENUSKA NADJA REGO DE QUEIROZ SOARES
DATA: 14/12/2012
HORA: 15:00
LOCAL: auditorio de psicologia
TÍTULO:

PSICOSE E TOXICOMANIAS: UM ESTUDO PSICANALÍTICO.



PALAVRAS-CHAVES:

pesquisa psicanalítica; drogas; suplência; gozo; saúde mental


PÁGINAS: 125
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

O presente trabalho tem o objetivo de discutir, a partir de um caso clínico e à luz da psicanálise, quais os diferentes modos de operação do uso de drogas sobre a estrutura psicótica e quais seriam os efeitos e as particularidades dessa articulação. O interesse pelo tema nasceu a partir de uma experiência de estágio na área de Saúde Mental, na qual havia um paciente psicótico que fazia uso de drogas, assim como existia uma dificuldade do serviço em como e onde tratar esse usuário. Para atingirmos nosso objetivo, construímos quatro capítulos teóricos nos quais o caso clínico é retomado algumas vezes em articulação com as discussões levantadas, a fim de aproximarmos a pesquisa teórica com a prática clínica, o que caracteriza o método deste trabalho como teórico-clínico. A revisão de literatura revelou que Freud e Lacan não se dedicaram ao estudo dessa temática, mas deram contribuições importantes que se desdobram atualmente no campo teórico e na prática clínica. Autores psicanalíticos contemporâneos apontam que o uso feito por psicóticos é diferente do uso feito por neuróticos, pois o psicótico possui particularidades que são de estrutura. Constatou-se que o uso de drogas na psicose pode operar de três modos distintos: o primeiro refere-se ao uso de droga enquanto suplência à ausência do significante que insere o psicótico no laço social; O segundo tem a função de intensificação dos fenômenos psicóticos e o terceiro opera como tentativa de apaziguamento desses mesmos fenômenos. Conclui-se que, enquanto o uso de drogas na neurose pode oferecer um modo de satisfação individualista que prescinde do social, na psicose esse uso pode operar de maneira diversa, podendo ter uma função de desencadeamento, de estabilização, de inserção social, dentre outras. Tal discussão permite avançarmos na direção do tratamento da psicose, quando o caso inclui o uso de drogas, bem como na direção do tratamento das toxicomanias.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1674041 - ANA KARENINA DE MELO ARRAES AMORIM
Externo à Instituição - CYNARA TEIXEIRA RIBEIRO - UFRN
Presidente - 6349464 - CYNTHIA PEREIRA DE MEDEIROS
Externo à Instituição - ZAETH AGUIAR DO NASCIMENTO - UFPB
Notícia cadastrada em: 04/12/2012 09:52
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao