Banca de QUALIFICAÇÃO: SUZANY LUDIMILA GADELHA E SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SUZANY LUDIMILA GADELHA E SILVA
DATA: 06/08/2012
HORA: 09:00
LOCAL: auditorio de psicologia
TÍTULO:

PROPOSTAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS DA FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA

NO RIO GRANDE DO NORTE - RN


PALAVRAS-CHAVES:

Formação em psicologia; projeto pedagógico de curso; atuação em Psicologia; Rio Grande do Norte.


PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Com um resgate histórico de textos sobre a profissão se consegue apontar que esta ocupação e área de conhecimento se apresentam bem consolidada nesse quase meio século de presença profissional organizada no país. Porém, ao examinar a fundo como a psicologia tornou-se possível enquanto ciência, é perceptível que nesse processo houveram condições socioculturais no decorrer de seu desenvolvimento que permitiram e incentivaram o aparecimento de determinados projetos de psicologia, divididas em diversas linhas de pensamento (Figueiredo & Santi, 2003).  A investigação teórica neste trabalho explora elementos para uma contextualização das discussões atuais sobre o processo formativo na psicologia que são atravessadas pela ampliação da quantidade de cursos, a interiorização a expansão da rede privada de ensino e a atuação em novos campos de trabalho (Lisboa & Barbosa, 2009; Yamamoto, & et al, 2010). Ressalta-se também que as políticas de ensino superior brasileira sofreram consideráveis inflexões ao longo dos governos e da organização política do Estado onde foram colocadas para uma disputa de mercado em que, a graduação é vista como mais um meio de estabilidade e ascensão social em que uma fatia de grandes empresas privadas se estabelece e uma parcela da população busca melhores condições de inserção no mundo do trabalho com essa qualificação profissional. Esse processo de expansão na psicologia apresenta cerca de 502 cursos de universidades, faculdades e instituições de ensino superior gerando uma demanda que não passa isenta da organização das políticas educacionais propostas para o ensino superior brasileiro (Brasil, 2009). Consideramos assim, que as Universidades até então, são instituições que refletem o Estado e a estrutura da sociedade. No Brasil, ao passarem por uma reforma de Estado que impõe à educação o papel de um serviço a ser prestado, acabam por adaptar e alterar essas premissas. Neste quadro, o que é privilegiado e vivenciado pelas ciências em seu conjunto, são as orientações para a fragmentação competitiva, de um modo geral, com caráter privatista, que pode ser percebido na prática final (Chauí, 2003). Assim, as alterações referenciadas ao conjunto da formação em nível superior que tem como marco a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), apontam uma nova organização para cada curso de graduação influenciada diretamente pelos novos reordenamentos nas esferas sociais, econômicas e políticas (Yamamoto, Fernandes & Campos, 2002). Na psicologia, os debates das Novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) se aquecem, por volta do fim da década dos anos de 1990, e as pressões para uma organização mais voltada aos perfis generalistas e pluralistas acabam por se fomentar enquanto direcionamento central para a formação. A proposta que segue é dividir em Núcleo Básico e em Ênfases, onde as DCN buscam uma ampla formação com vivências na maioria das áreas e campos da Psicologia. Desta forma, retirando o caráter mais hegemônico da direção da formação, sendo melhor capacitados tanto teórica quanto metodologicamente (Brasileiro & Proença, 2010). Diante disso, a opção de conduzir esta investigação é intermediada e instigada a buscar a reflexão apresentada por Kramer (1997) que diz que “uma proposta pedagógica expressa sempre os valores que a constituem, e está intimamente ligada à realidade a que se dirige”. Neste trabalho, optou-se por estudar e analisar os Projetos Pedagógicos dos Cursos de Psicologia (PPCs) das Instituições de Ensino Superior do estado do Rio Grande do Norte via pesquisa documental. Utilizando um recorte metodológico para empregou-se quatro, dos cinco cursos no estado pois apresentam as orientações das Novas DCN em pleno desenvolvimento. Entendido enquanto processo, a formação em psicologia é atravessada por diversos fatores que a tornam particular para cada sujeito que a experimenta. Por seu turno, o PPC deve ser um documento derivado dos debates e ações dos atores que compõem cada instituição e cada curso. Assim, o PPC pode assumir dois estatutos distintos de acordo com seu processo de construção. Em um caminho, ele configura-se como uma documentação burocrática, formulada por alguns consultores (internos ou externos ao curso), estabelecendo-se uma relação estritamente regulatória das práticas desenvolvidas pelos docentes. Em outra situação, o PPC apresenta-se como produto de um debate amplo desenvolvido entre docentes, técnicos, discentes e comunidade, promovendo a concatenação entre as expectativas desses atores e as restrições postas pelas legislações superiores (Veiga, 2010). Diante desse quadro avaliativo, a escolha pela análise dos PPCs dos cursos de Psicologia do RN, a fim de desvelar aspectos a respeito da formação graduada do psicólogo, permite tanto a apreensão de tendências gerais que estão sendo postas para esse fenômeno, como uma compreensão deste a médio e longo prazo. Diante desse panorama, é possível localizar o PPC, dentro do processo formativo, como um elemento que sintetiza as políticas mais amplas sobre a formação universitária e profissional, ao passo que se projeta para a experiência particular da sala de aula.  Dessa forma construiu-se uma estratégia a partir das legislações e literaturas acerca da formação do psicólogo no país, bem como da leitura livre e categorizações de diferentes PPCs. Agruparam-se as informações desse documento em três blocos de discussões – fundamentos teórico, filosóficos e pedagógicos; ênfases curriculares e disciplinas; práticas profissionais –, com as suas respectivas categorias analíticas. Os três blocos de discussões expostos, impele o levantamento de dados e considerações diversas. Essa massa de dados informa acerca de diversas características do fenômeno formação do psicólogo (Seixas, P. S., Coelho-Lima, Silva, S. G., & Yamamoto, O. H., no prelo). Tendo isto, iniciamos as análises de dois PPCs, com o objetivo de investigar as propostas político-pedagógicas de formação colocadas atualmente a psicologia potiguar. Enquanto objetivo da formação aponta-se: um profissional generalista, crítico, ético, com espírito de pesquisa e que articula teoria e prática. Que outrora seja comprometido socialmente, onde sua prática provoca transformação social e desenvolvimento humanos em todos os contextos de atuação; E que identifica as demandas sociais com capacidade de atuar em equipes multiprofissionais e na promoção de saúde. Analisando os perfis profissionais organizados nestes dois PPCs tem-se que seguem as competências gerais designadas pelas DCN. As análises ainda em fase inicial pretendem - ao explicitar os percursos, as orientações e visões que os cursos de psicologia potiguares tem assumido e elaborado - fundamentar um meio para propiciar a discussão dos seus impactos no conjunto dos espaços e relações sociais que a psicologia estabelece no estado.

Palavras-chave: Formação em psicologia; projeto pedagógico de curso; atuação em Psicologia; Rio Grande do Norte.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MARIO SERGIO VASCONCELOS - UNESP
Externo à Instituição - NADIA MARIA RIBEIRO SALOMÃO - UFPB
Notícia cadastrada em: 02/08/2012 18:18
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao