Banca de DEFESA: ANTONIO ALVES FILHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIO ALVES FILHO
DATA: 10/02/2012
HORA: 14:00
LOCAL: laboratorio de psicologia
TÍTULO:

MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO: UM ESTUDO COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE NATAL-RN.


PALAVRAS-CHAVES:

motivação, teoria da expectativa, profissionais de saúde, unidade básica de saúde, SUS


PÁGINAS: 212
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

A presente tese estudou a motivação para o trabalho dos profissionais de saúde vinculados às Unidades Básicas (UBS) da rede de saúde do município de Natal (RN). Compreendeu-se a motivação para o trabalho como um processo e, para tanto, aplicou-se a teoria das expectativas cujos componentes (resultados do trabalho, expectativa, valência, instrumentalidade e força motivacional) serviram para assim analisá-la. Entendendo-se também a motivação como um fenômeno multifacetado, adotou-se a perspectiva psicossociológica. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas: uma com a aplicação do Inventário da Motivação e Significado do Trabalho (IMST) e outra com entrevistas. As análises dos resultados obtidos com o IMST revelaram que os fatores que mais contribuem para aumentar a força motivacional dos profissionais de saúde das UBS’s são, em valência, Autoexpressão e Realização Pessoal (FV2), Sobrevivência Pessoal e Familiar (FV3); em expectativa, os fatores Autoexpressão e Justiça no Trabalho (FE1), Segurança e Dignidade (FE2) e Responsabilidade (FE4); em instrumentalidade, os fatores Envolvimento (FI1) e Reconhecimento e Independência Econômica (FI4). Em contrapartida, os fatores que mais contribuem para baixar a força motivacional são os fatores Desgaste e Desumanização em valência (FV4), em expectativa (FE3) e em instrumentalidade (FI4), além do fator Justiça no Trabalho (FI2). Com base nas análises de conteúdo das entrevistas, foi possível, por equivalência, relacionar os sentidos apresentados pelos profissionais de saúde aos fatores encontrados com o IMST, indicando que os resultados da segunda etapa corroboraram e complementam os da primeira favorecendo uma compreensão mais ampla dos fenômenos estudado. Na primeira etapa, a instrução dos participantes também prediz os resultados em motivação e, nas entrevistas, pode ser visto que a instrução está relacionada com as oportunidades que têm fora do sistema. Como a motivação para o trabalho é processual, o impacto de características pessoais e ocupacionais tende a interagir com aspectos contextuais. Na fala dos entrevistados, obtidas na segunda etapa, é visível a presença de conteúdos que mostram que percebem o SUS e as UBS’s em degradação. Conclui-se que a maioria dos profissionais de saúde apresenta força motivacional moderada, porém em queda, em função de vivenciarem e perceberem um contexto deteriorado com condições de trabalho cada vez mais desfavoráveis.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1134517 - JORGE TARCISIO DA ROCHA FALCAO
Presidente - 1149261 - LIVIA DE OLIVEIRA BORGES
Externo à Instituição - MARIA LUISA MENDES TEIXEIRA - UPM
Interno - 1759676 - PEDRO FERNANDO BENDASSOLLI
Externo à Instituição - SÔNIA MARIA GUEDES GONDIM - UFBA
Notícia cadastrada em: 30/01/2012 11:26
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao