Banca de DEFESA: MARIANA TAVARES CAVALCANTI LIBERATO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA TAVARES CAVALCANTI LIBERATO
DATA: 12/12/2011
HORA: 15:00
LOCAL: laboratorio de psicologia
TÍTULO:

A dimensão sociocultural da Reforma Psiquiátrica: articulando redes para a consolidação da atenção psicossocial.


PALAVRAS-CHAVES:

reforma psiquiátrica; atenção psicossocial; dimensão sociocultural, redes


PÁGINAS: 193
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Essa tese tem como escopo discutir acerca das articulações produzidas no campo sociocultural do processo de Reforma Psiquiátrica e sua pertinência para a consolidação da Estratégia de Atenção Psicossocial (EAPS). Tal interesse justificou-se pela necessidade de promover não apenas a produção de tais redes, mas também interfaces que possibilitem estratégias de suporte e sociabilidade sob a ótica da desinstitucionalização da loucura. Inspirados na perspectiva cartográfica de Deleuze e Guattari, determinamos como objetivos: 1) debater a complexidade do processo de Reforma Psiquiátrica e analisar a EAPS como modelo para política atual de saúde mental do país; 2) mapear as estratégias socioculturais ligadas à rede de CAPS de Fortaleza-CE, examinando as experiências que já se constituem ou podem vir a se constituir como redes de suporte social cotidianas; 3) a partir deste mapeamento, definir e discutir eixos que convirjam para a concretização deste novo paradigma em saúde mental. O mapeamento, realizado em 2009, constituiu-se por entrevistas semi-estruturadas com os coordenadores dos 14 CAPS existentes e com algumas pessoas relacionadas ao Colegiado de Saúde Mental. Além disso, durante todo o desenvolvimento do estudo, participamos de eventos públicos, que nos dessem pistas das conexões entre saúde mental e cultura. A partir do levantamento produzido, definimos três vetores de discussão (Arte, Trabalho e Parceria com Movimentos Sociais) que se sobressaíram como possibilidades efetivas de intervenção no campo sociocultural da Reforma em Fortaleza e indicaram caminhos relevantes no processo de efetivação de um novo modelo de atenção. Vimos que eles estão articulados com a proposta da EAPS, fazendo parte das preocupações da Política Nacional de Saúde Mental e também da gestão municipal. Contudo, percebemos ser necessário fomentar ainda mais tais dimensões, atentando para sua complexidade tanto no plano macro quanto micropolítico, no intuito de continuar pondo em movimento o processo de Reforma Psiquiátrica.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1674041 - ANA KARENINA DE MELO ARRAES AMORIM
Externo ao Programa - 1744558 - JADER FERREIRA LEITE
Externo à Instituição - JULIANA SAMPAIO - UFPB
Presidente - 1293170 - MAGDA DINIZ BEZERRA DIMENSTEIN
Externo à Instituição - VERÔNICA MORAIS XIMENES - UFC
Notícia cadastrada em: 23/11/2011 10:19
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao