Banca de DEFESA: HANNIA ROBERTA RODRIGUES PAIVA DA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: HANNIA ROBERTA RODRIGUES PAIVA DA ROCHA

DATA: 23/05/2011

HORA: 09:00

LOCAL: Laboratório de Psicologia

TÍTULO:

Tradução, adaptação e estudos de validade da escala de dependência de drogas do Millon Clinical Multiaxial Inventory III para o Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

Millon Clinical Multiaxial Inventory III, adaptação de instrumentos psicológicos, dependência de drogas


PÁGINAS: 142

GRANDE ÁREA: Ciências Humanas

ÁREA: Psicologia

RESUMO:

Millon descreve a personalidade normal em termos de estilos de adaptação que são eficazes em meios normais e transtornos de personalidade como os estilos de funcionamento desadaptados. Para operacionalizar seu modelo teórico, Millon construiu diversos instrumentos, entre eles o Millon Clinical Multiaxial Inventory III (MCMI-III), que consiste num inventário de auto-relato de 175 itens com resposta falso ou verdadeiro, que avalia 14 padrões de personalidade e 10 síndromes clínicas, além de conter 4 escalas de verificação. Entre as escalas de Síndromes Clínicas encontra-se a escala de Dependência de Substância (T). A presente pesquisa justifica-se pela inexistência de instrumentos no país que avaliem os aspectos psicopatológicos da personalidade, e tem como objetivos traduzir e adaptar semanticamente o MCMI-III para o Brasil, verificando elementos de validade da escala de Dependência de Substâncias, e elaborar um aplicativo informatizado que assessore a avaliação dos resultados desse instrumento. Para tal, foram coletados dados junto a 2.588 pessoas, dos sexos masculino e feminino, com idades entre 18 e 85 anos, caracterizados como pertencentes a um grupo clínico ou não-clínico, que participaram da pesquisa presencialmente ou via internet. Os participantes responderam ao MCMI-III, a um questionário sócio-demográfico e um subgrupo também respondeu ao Questionário de Saúde Geral de Goldberg (QSG). Além das estatísticas descritivas, foram efetuadas análises por meio do teste t de Student, análises de componentes principais e de consistência interna. Apesar de dificuldades relacionadas à tradução de termos muito específicos da língua inglesa, a avaliação por juízes conhecedores da teoria de Millon e o procedimento de back translation atestaram a adequação da versão brasileira. A análise fatorial indicou o agrupamento dos itens traduzidos em 24 fatores explicando 64,62% da variância, com organização das escalas em três principais dimensões. Os itens da escala T, por sua vez, foram agrupados em 3 fatores (comprometimento das atividades sociais, ausência de controle dos impulsos e condutas opositivas), com a apresentação de um item isolado em um quarto fator (aparentemente relacionado à busca de estímulos prazerosos). O alfa de Cronbach para este grupo[de itens foi de 0,82, indicando aceitável confiabilidade da escala. A análise dos dados obtidos resultou em diferenciação nas pontuações de grupos clínico e não clínico e entre homens e mulheres; relação entre pontuações altas na escala T com as demais escalas do instrumento; diferenciação nas pontuações dos usuários de drogas de acordo com a substância declarada como utilizada; e relação entre as altas pontuações em T e a verificação de distúrbio ou risco no fator Saúde Mental do QSG, indicando adequada sensibilidade do instrumento na identif   icação de quadros psicopatológicos e na relação entre os diferentes transtornos ou padrões psicopatológicos de personalidade. O aplicativo de correção informatizado se mostrou adequado, embora ainda sejam necessários estudos para o desenvolvimento dos fatores de transformação dos escores.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1323908 - JOAO CARLOS ALCHIERI
Externo à Instituição - BARTHOLOMEU TÔRRES TRÓCCOLI - UnB
Externo à Instituição - VIRGINIA DRESCH - UFF
Notícia cadastrada em: 23/05/2011 08:19
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao