Banca de DEFESA: CHRISTINE DE MEDEIROS FRANCILAIDE CAMPOS - (Retificação)

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: CHRISTINE DE MEDEIROS FRANCILAIDE CAMPOS

DATA: 31/03/2011

HORA: 08:30

LOCAL: auditório A do CCHLA

TÍTULO:

O ONCOLOGISTA CLÍNICO DIANTE DA MORTE: IMPLICAÇÕES PARA A PRODUÇÃO DO
CUIDADO.


PALAVRAS-CHAVES:

 oncologista clínico, morte, pacientes terminais, cuidado.


PÁGINAS: 238

GRANDE ÁREA: Ciências Humanas

ÁREA: Psicologia

RESUMO:

É inegável que todo o extraordinário avanço tecnológico na contemporaneidade permitiu aumentar a expectativa e a qualidade de vida dos pacientes de muitos agravos, especialmente pacientes oncológicos. Por outro lado, também é facilmente constatável por inúmeras pesquisas que não foi possível avançar na mesma proporção quanto aos cuidados com a experiência humana da morte. Muito se fala sobre as angústias do homem frente à morte, dos pacientes com câncer em estado terminal, sobre suas famílias e, muito pouco sobre os sentimentos, angústias e formas de enfrentamento do profissional da medicina que lida com essa situação, especificamente o oncologista clínico. Pouco se sabe sobre a vivência do médico, deste que aprendeu a ter a morte como inimiga a ser derrotada, e cada vez mais é impelido a conviver prolongadamente com seu anúncio. No entanto começamos a assistir nos últimos anos um crescente interesse de pesquisadores nessa questão. O presente estudo busca somar-se a tal interesse com o objetivo de compreender a vivência de oncologistas clínicos que acompanham pacientes terminais, os significados que atribuem a morte, as maneiras de enfrentamento e as implicações para a produção do cuidado. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, na qual utilizamos como instrumento de coleta de dados a entrevista em profundidade com roteiro no qual estão descritas as cenas projetivas, que foram realizadas, cujo objetivo era buscar uma maior penetração nos elementos subjetivos dos entrevistados e gerar segurança na análise interpretativa. Para análise e interpretação das narrativas recorremos à Hermenêutica Gadameriana. Os sujeitos desta pesquisa foram 10 oncologistas clínicos que trabalham em duas instituições de referência em tratamentos oncológicos no estado do Rio Grande do Norte, escolhidos a partir de uma variação quanto ao tempo de atuação na especialidade (mínimo de um ano, até os mais antigos).  O estudo encontra-se na fase de análise das narrativas. Somente após o término da análise e as contribuições do segundo seminário de qualificação consolidaremos as categorias temáticas que estarão compondo o corpo dos capítulos de discussão dos resultados. No entanto, é possível trazermos alguns resultados iniciais para o diálogo. Foi possível constatar que a morte ainda é um tema que traz muitas dificuldades no cotidiano desses profissionais; a escolha pela oncologia implica em lidar com a morte sem preparação no ensino médico; estar próximo ao paciente no momento final, apoiar os familiares, lidar com a própria dor da perda e com a impossibilidade de curar são alguns dos elementos centrais das narrativas. Por outro lado, os participantes reconhecem no discurso, e alguns na prática, a potência presente no cuidar daqueles que estão próximo a morte, imprimindo uma re-significação no seu saber-fazer. Temos também o investimento na formação médica e na educação permanente configurando uma demanda que permeia o discurso dos participantes. O fato de poder escutar o mundo subjetivo desses oncologistas clínicos poderá subsidiar o trabalho não só deles como de outros profissionais que lidam com o paciente com câncer avançado, fornecendo elementos que permitam compreender em que medida os significados atribuídos ao seu saber-fazer diante de pacientes na iminência da morte interferem na produção do cuidado destes, bem como possibilitará identificar estratégias de enfrentamento no cotidiano desses profissionais que dificultam ou facilitam o lidar com a morte, promovem ou impossibilitam o cuidado com o outro e com eles próprios. Espera-se que a pesquisa possa contribuir com o campo do conhecimento acerca do saber-fazer em oncologia clínica e da relação oncologistas-pacientes terminais-cuidado-morte, trazendo pistas capazes de promover uma melhor qualidade na produção do cuidado de todos os envolvidos nesse processo: profissionais, pacientes e familiares.

 



MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ELAINE GOMES DOS REIS ALVES - UPM
Externo ao Programa - 1161638 - FRANCISCO EDILSON LEITE PINTO JUNIOR
Presidente - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Notícia cadastrada em: 10/03/2011 11:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao