Banca de QUALIFICAÇÃO: CARLOS EDUARDO SILVA FEITOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CARLOS EDUARDO SILVA FEITOSA
DATA : 23/02/2024
HORA: 14:30
LOCAL: Sala da base de pesquisa e plataforma virtual: meet.google.com/nqw-mdwn-mru
TÍTULO:

Potências da memória - cartografias de memórias menores na saúde mental potiguar


PALAVRAS-CHAVES:

Memória, Testemunho; Saúde mental; Reforma psiquiátrica; Produção de subjetividade.


PÁGINAS: 92
RESUMO:

A presente tese aborda a defesa de uma memória e uma história menor no campo da saúde mental
potiguar a partir da narração, testemunhos e relatos de usuários da rede de saúde que compõem um
coletivo de luta antimanicomial de Natal. Embora encontremos na história da Reforma Psiquiátrica
Brasileira o relato das diversas experiências trazendo exitosamente as particularidades e
características desse movimento, pontuamos a pouca frequência e, às vezes, até a ausência do relato
de usuários da rede de saúde mental, muitos deles testemunhas e atores históricos do processo de
reforma psiquiátrica. Apoiado nas teses de história, experiência e narração de Walter Benjamin,
assim como nas contribuições do pensamento de Deleuze, Guattari, e da Análise institucional,
buscou-se fazer uma cartografia das memórias desses usuários através da realização de entrevistas,
do acompanhamento do coletivo de luta antimanicomial e da produção de cartas, como elemento
estético de produção de uma narração de suas experiências, para pensar uma outra história da

saúde mental potiguar. O desenvolvimento da pesquisa seguiu uma contextualização do momento
histórico na qual esta se insere, seguido das bases metodológicas que dão suporte a uma pesquisa
de imersão cartográfica das memórias dos usuários da rede. Por meio de uma revisão bibliográfica
sobre a memória, sua coletivização e transmissão procuramos passar por autores europeus
clássicos, nos aproximando de autores decoloniais para pensar a produção de uma memória menor,
tomada aqui em analogia ao conceito de literatura menor, como subversão de uma minoria em uma
língua maior ou condição de revolução de toda literatura, situada dentro da literatura universal
estabelecida, a partir de agenciamentos coletivos de enunciação, da desterritorialização da língua e
de dimensão política. Por meio do recurso da produção de cartas a partir dos relatos das entrevistas,
buscou-se articular os conceitos trazidos de forma a tensionar a relação entre saber e experiência,
além de uma construção coletiva de formas de publicizar essas memórias/histórias cartografadas,
criando, em conjunto com os demais participantes da pesquisa, espaços onde essas histórias
possam continuar sendo compartilhadas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1674041 - ANA KARENINA DE MELO ARRAES AMORIM
Externo à Instituição - LUIS ANTONIO DOS SANTOS BAPTISTA - UFF
Externo à Instituição - MARCOS ALEXANDRE DE MELO SANTIAGO ARRAES - UFT
Notícia cadastrada em: 24/01/2024 09:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao