Banca de DEFESA: FRANCIELE ALVES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANCIELE ALVES DOS SANTOS
DATA : 27/10/2022
HORA: 15:00
LOCAL: Formato híbrido: Laboratório de Psicologia e https://meet.google.com/gsr-inms-tmi
TÍTULO:

TRILHANDO “CAMINHOS DE VOLTA”: O QUE SE APRENDE AO ANDAR NA FRONTEIRA


PALAVRAS-CHAVES:

Autorreconhecimento; Indígenas; Corpo-Território; Identidade


PÁGINAS: 91
RESUMO:

A negação da nossa ancestralidade pela colonização é uma ferida que poucas de nós temos acessado o direito de cuidar. Há séculos a historiografia local determinou o desaparecimento do indígena potiguar, o que reflete o genocídio dos povos originários do Rio Grande do Norte. Diante desta e outras pistas para a pesquisa me aproximei da indígena Guayumi Potyguara e da sua experiência de retomada étnica, propondo como objetivo geral: Compreender o processo de autoreconhecimento de uma mulher indígena e sua relação com as suas experiências de vida. E, como objetivos específicos: a) resgatar com a interlocutora sua história de vida pensando seu corpo-território no processo de autorreconhecimento como mulher indígena; e, b) analisar o seu processo de constituição como mulher indígena e os efeitos na vida desta, nas relações de gênero nos âmbitos familiar e comunitário. Apostamos na hibridização de metodologias outras com a perspectiva ética-política da decolonialidade, esta não é apenas um conceito ou uma definição, mas uma opção de vida, definida por ação e engajamento. Utilizamos as seguintes ferramentas: diários de campo; entrevistas narrativas; passeio pelo acervo de memórias fotográficas e produções desta mulher; e, escrevivências minhas. Buscamos tecer narrativas políticas que abarquem as dimensões do seu processo de autorreconhecimento, do seu corpo-território e os efeitos na sua vivência como mulher indígena. As narrativas foram inicialmente redigidas por mim, mas lidas e modificadas após a leitura de Guayumi, construindo uma metodologia em forma de círculo, remetendo às cotidianas formações indígenas que organizam tanto os espaços, os torés, os espaços de decisão, até suas cosmovisões. A questão da identidade indígena é complexa, já que diz de processos subjetivos e também coletivos. No entanto, podemos perceber que ao contrário do que temos dado por identidade como algo que é estático, típico da modernidade, a identidade para é muito mais um fluxo, movimento e transformação.. Afinal, todas nós fazemos parte desse organismo vivo que é a terra, somos esse corpo-território.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2086520 - CANDIDA MARIA BEZERRA DANTAS
Externa à Instituição - FERNANDA VIEIRA DE SANT'ANNA
Interna - ***.184.904-** - MARIA DA GRAÇA SILVEIRA GOMES DA COSTA - UFRN
Notícia cadastrada em: 21/10/2022 15:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao