Banca de QUALIFICAÇÃO: ANNA VALESKA PROCOPIO DE MOURA MENDONCA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANNA VALESKA PROCOPIO DE MOURA MENDONCA
DATA : 07/06/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

SABERES E FAZERES DE UMA PSICOLOGIA QUE CUIDA DO MORRER EM CUIDADOS PALIATIVOS


PALAVRAS-CHAVES:

Psicologia; Morte; Morrer; Cuidados Paliativos;


PÁGINAS: 220
RESUMO:

Os Cuidados Paliativos (CP) configuram-se como uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes (adultos e crianças) e suas famílias, em seus aspectos físicos, psicossociais e espirituais, na vivência de um processo de adoecimento grave e sofrimento. O psicólogo, integrante dessa equipe de cuidado, mostra-se como profissional necessário ao amparo emocional que essa experiência desperta seja durante o adoecer seja na proximidade da morte. Sabe-se que a temática da morte, presente no contexto dos CP, ainda desencadeia muitos desafios. Nos questionamos: Como se constrói um itinerário na formação para o saber fazer da Psicologia em CP, especialmente no lidar com o processo de morrer? Para alcançar tal indagação, tivemos como objetivo geral do nosso estudo: Compreender o processo de construção do saber fazer do psicólogo que atua nos Cuidados Paliativos em especial diante da terminalidade. Como específicos: (a)Investigar qual a preparação dos psicólogos para a prática do cuidado no processo de terminalidade em Cuidados Paliativos (CP); (b) Conhecer o significado da morte para os psicólogos que atuam em CP; (c) Identificar os sentimentos vivenciado pelos psicólogos no cuidar de pessoas no processo da morte em CP e após a morte ocorrer; (d) Conhecer quais os recursos/estratégias utilizadas pelos psicólogos para lidarem com as próprias emoções no processo de morte e de um possível enlutamento; (e) Investigar como os psicólogos abordam a espiritualidade/ religiosidade das pessoas que cuidam diante da morte em CP; (f) Identificar dificuldades/desafios/potencialidades para a realização do cuidar diante da morte em CP; (g) Identificar qual o papel atribuído pelos psicólogos no cuidar do processo de morte em CP. Foi realizado uma pesquisa com 12 psicólogos das Regiões do Brasil: Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-oeste que trabalham em CP. As estratégias metodológicas utilizadas foram a entrevista narrativa e cenas projetivas. A análise e interpretação das narrativas foi amparada pelos princípios hermenêuticos gadamerianos. Antes dos capítulos que dialogam com as narrativas dos colaboradores, temos um capítulo teórico: “Cuidados Paliativos: a história e uma disponibilidade de cuidar”. Seguimos com: “A preparação para lidar com a morte em Cuidados Paliativos” retrata as lacunas na formação acerca do conhecimento, evidencia que os pacientes mostram-se como grandes mestres na arte de ensinar sobre cuidar no fim de vida e constata a preparação constante nesse estar com o outro no processo de morte; “Quando o paciente morre: significados e vivências emocionais dos psicólogos nesse cuidar” aborda a morte pessoal transformações, ressignificações, lutos e a morte na vida profissional com seus medos, impotências, angústias, e gratidão; “Cuidando-se para cuidar: recursos e estratégias que amparam a prática dos psicólogos em fim de vida” revela o autocuidado através da terapia, meditação, música, exercícios, descanso e ficar com seus entes querido, o compartilhamento das vulnerabilidades entre a equipe e a espiritualidade e a amorosidade no cuidar enquanto recursos; “Cuidar no processo de morte em CP: dificuldades, sustentação e os caminhos para o saber fazer em psicologia” apresenta dificuldades quando não existe uma equipe exclusiva em CP, no lidar com a morte com dor e sofrimento, e o desafio da comunicação com a família. A compreensão do cuidar no fim como um espaço sagrado de atuação sustenta a prática deles diante dos papéis desejados para cuidar na proximidade da morte: saber ouvir, ter respeito a condição finita e escolhas do paciente, facilitar as expressões de despedidas, ressignificações, autonomia, dignidade e amenizar sofrimento espiritual e emocional do paciente e seus familiares. Para tal, precisam buscar a espiritualidade e encarar a própria mortalidade. A tese apresentada anuncia caminhos possíveis para a construção de um saber fazer da Psicologia diante da morte em Cuidados Paliativos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Externo ao Programa - 2704485 - MARLOS ALVES BEZERRA
Externa à Instituição - ANNATALIA MENESES DE AMORIM GOMES - UECE
Notícia cadastrada em: 01/06/2022 14:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao