Banca de QUALIFICAÇÃO: ROCELLY DAYANE TEOTONIO DA CUNHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ROCELLY DAYANE TEOTONIO DA CUNHA
DATA : 09/06/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

CIÊNCIA E GÊNERO: O COTIDIANO DE MULHERES PESQUISADORAS EM PSICOLOGIA



PALAVRAS-CHAVES:

Psicologia; Excelência Científica; Gênero; Cotidiano; Saúde.


PÁGINAS: 187
RESUMO:

O número de mulheres pesquisadoras tem crescido mundialmente. No entanto, as desigualdades de gênero persistem em quatro aspectos: as mulheres ainda representam parcela minoritária na ciência mundial; concentram-se em determinadas áreas de conhecimento; predominam nos níveis iniciais da carreira e são sub representadas em posições deliberativas da política científica e tecnológica. Na ciência brasileira, esse cenário se repete. Apesar do aumento de mulheres entre as(o) bolsistas PQ/CNPq, ainda há assimetria de gênero em várias áreas do conhecimento, incluindo as CHSSALLA e a Psicologia. Em função disso, essa pesquisa volta-se para a relação entre ciência e gênero, com foco nos impactos das exigências de excelência científica no cotidiano das bolsistas PQ da Psicologia. Adotou-se uma abordagem multimétodo estabelecida em três etapas: análise de dados de domínio público; aplicação de um formulário eletrônico e realização de entrevistas remotas. Dessas etapas, resultaram cinco estudos, cujo achados demonstram que: a) na Psicologia, apesar da menor desigualdade de gênero, as mulheres ocupam proporcionalmente menos posições no topo da carreira; b) o perfil da bolsista PQ da área é de mulheres brancas, cis, de classe média, casadas, heterossexuais e do sudeste do país. Esse quadro revela os mecanismos que constituem a racionalidade científica moderna que, atravessada pelo colonialismo de gênero, raça e classe, induzem a um acesso desigual por parte das mulheres às condições que favorecem a excelência científica e das negras e indígenas em comparação às brancas; c) Os principais problemas enfrentados relacionam-se ao cenário de disputa e concorrência interna às diversas áreas do conhecimento que tem se acirrado no âmbito da C&T no país e à atual configuração do trabalho acadêmico marcada pela sobrecarga de atividades e funções, gerando sentimentos de satisfação e de desânimo; d) As exigências do trabalho acadêmico-científico produzem impactos no cotidiano das pesquisadoras, que somadas às demandas domésticas, familiares e conjugais, exigem a invenção de estratégias de conciliação, as quais se associam à ampliação da vulnerabilidade ao sofrimento psíquico e agravos à saúde. Conclui-se que o cotidiano doméstico e de trabalho das bolsistas PQ está atravessado pela estrutural desigualdade de gênero e androcentrismo. As mulheres precisam lidar com o sexismo institucionalizado, com a discriminação e as hierarquias de saber-poder que perpassam as relações institucionais. No âmbito familiar e doméstico, a persistência das hierarquias de gênero se nota, particularmente, nas relações conjugais. A invisibilidade dessas assimetrias reforça a adesão das mulheres à racionalidade individualizante hegemônica que desconecta as desigualdades acadêmico-científicas e a produção de sofrimento das imposições de gênero.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1293170 - MAGDA DINIZ BEZERRA DIMENSTEIN
Externa à Instituição - MARIA JURACY TONELI - UFSC
Externa à Instituição - SIMONE MAINIERI PAULON - UFRGS
Notícia cadastrada em: 10/05/2021 16:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao