Banca de DEFESA: ÉLISON RIXADSON ARAÚJO CUNHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÉLISON RIXADSON ARAÚJO CUNHA
DATA : 29/03/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Laboratório de Psicologia
TÍTULO:

CONTANDO NOS DEDOS: APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO NUMÉRICO


PALAVRAS-CHAVES:

contagem com os dedos;cognição corporificada; habilidades numéricas.


PÁGINAS: 96
RESUMO:

O objetivo do presente estudo foi investigar a eficácia de programa de estimulação de contagem com o uso dos dedos para o desenvolvimento de habilidades matemáticas. Para tanto, realizou dois estudos diretamente articulados entre si. No primeiro, com o objetivo de adaptar o material do programa desenvolvido na Alemanha, buscou identificar o padrão canônico de contagem nos dedos da cidade de Natal/RN.  Participaram do estudo 100 estudantes universitários, sendo 50 mulheres, nascidos e residentes na cidade, que realizaram duas tarefas, a saber, de lateralidade e de ordinalidade. Os resultados apontaram a existência de padrão canônico de contagem com os dedos em Natal/RN.  Por sua vez, o segundo estudo investigou a eficácia do programa de estimulação do uso dos dedos na contagem sobre o desenvolvimento de habilidades matemáticas. Trata-se de  estudo de caráter quase experimental, de cunho longitudinal prospectivo e interventivo, predominante quantitativo. A amostra foi constituída por 40 crianças (entre 6 e 7 anos de idade), de ambos os sexos, estudantes de duas turmas do primeiro ano do ensino fundamental I de uma escola pública da cidade de Natal-RN. Uma turma (grupo experimental) foi submetida ao programa de estimulação da contagem com o uso dos dedos, com duração de 18 semanas. A segunda turma (grupo controle) realizou as atividades previstas pela escola. As habilidades cognitivas gerais, somatossensoriais e matemáticas, de ambas as turmas, foram avaliadas no início e final das 18 semanas. Não houve diferença significativa entre as duas turmas na avaliação do pré-teste. Porém, no pós-teste foram identificadas diferenças significativas entre as turmas, a favor da turma experimental, nas habilidades de adição, gnosia digital, magnitude e representação numéricas. Tais resultados atestam a eficácia do programa e podem subsidiar intervenções e políticas públicas que minimizem as dificuldades em matemática identificadas nas crianças brasileiras em instrumentos de avaliação nacionais e internacionais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1321136 - IZABEL AUGUSTA HAZIN PIRES
Externa ao Programa - 1723488 - MARIA DA APRESENTACAO BARRETO
Externa à Instituição - TACIANA PONTUAL DA ROCHA FALCÃO - UFRPE
Notícia cadastrada em: 21/03/2019 08:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao