Banca de DEFESA: MARIA HELENA DE MEDEIROS RÊGO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA HELENA DE MEDEIROS RÊGO
DATA : 25/02/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Laboratório de Psicologia
TÍTULO:

Resiliência e Apego Materno-Fetal em Gestantes Adolescentes


PALAVRAS-CHAVES:

Gravidez na adolescência, Gestação, Adolescente; Resiliência, Apego materno-fetal.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

A gravidez na adolescência se configura num momento de grandes mudanças no qual as jovens vivenciam, ao mesmo tempo, transformações características da adolescência e da gestação, as quais podem gerar a necessidade de reorganização da percepção e relação com seu corpo, com aspectos da sua identidade, bem como necessidade de repensar seus projetos de vida. Desse modo, configura-se como um momento crítico para o desenvolvimento das adolescentes, uma vez que se fazem necessárias adaptações intrapsíquicas e interpessoais que oportunizam tanto o crescimento psíquico como a sua deterioração. A resiliência - capacidade do indivíduo de enfrentar e superar uma situação adversa, saindo fortalecido ou transformado dessa experiência - pode facilitar as jovens o acesso aos recursos para lidar com as mudanças advindas da gravidez. Nesse sentido, a forma como a gestante enfrenta e significa esse momento pode influenciar na vinculação que estabelece com o bebê e, possivelmente, com o investimento que fará para suprir as necessidades físicas e emocionais da criança, influenciando no desenvolvimento infantil. Em virtude dessas questões, objetiva-se averiguar a correlação entre a resiliência e o apego materno-fetal em gestantes adolescentes. Deste estudo, participaram 77 adolescentes grávidas que realizam pré-natal nas Unidades Básicas de Saúde do Distrito Sul, na cidade do Natal. Elas responderam a um questionário com dados sociodemográficos e gestacionais; à Escala de Resiliência, e à Escala de Apego Materno-Fetal. Para a análise dos dados foi realizada estatística descritiva e inferencial, utilizando-se um software de processamento de dados (SPSS). Os resultados apontam a predominância de níveis moderados de resiliência (51,9%) e médios de Apego Materno-Fetal (88,3%) nas gestantes entrevistadas. No tocante a correlação entre esses dois constructos (R=0,397; p=0,000), identificamos que ela foi positiva, estatisticamente significativa e fraca, além do indicativo de tratar-se de uma influência bidirecional.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347027 - EULALIA MARIA CHAVES MAIA
Externa ao Programa - 1168479 - NEUCIANE GOMES DA SILVA
Externo à Instituição - RODRIGO DA SILVA MAIA - UFC
Notícia cadastrada em: 24/02/2019 21:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao