Banca de DEFESA: MARIA VALQUÍRIA NOGUEIRA DO NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA VALQUÍRIA NOGUEIRA DO NASCIMENTO
DATA : 05/12/2016
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório de Psicologia
TÍTULO:

Práticas Integrativas e Complementares Grupais nos serviços de saúde da atenção básica: possibilidades de diálogo com a educação popular


PALAVRAS-CHAVES:

Práticas integrativas e complementares; grupo; integralidade; educação popular; serviços de saúde da atenção básica


PÁGINAS: 251
RESUMO:

A Política de Práticas Integrativas e Complementares [PNPIC] foi implantada em 2006,por meio da portaria GM nº 971, contemplando as práticas terapêuticas como Homeopatia, Fitoterapia, Acupuntura, Medicina Antroposófica, Termalismo/Crenoterapia, Práticas Corporais/Atividade Física e Técnicas em Medicina Tradicional Chinesa, com base nos princípios de uma escuta acolhedora, desenvolvimento do vínculo terapêutico, integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade, visão ampliada do processo saúde-doença, promoção global do cuidado humano e autocuidado. Embora não instituídas pela Política Nacional, as Práticas Integrativas e Complementares [PIC’s] de natureza coletiva têm crescido gradativamente nos serviços de saúde, em razão das demandas locais e das próprias reivindicações da população. Nesse sentido, o objetivo deste estudo consistiu em analisar a inserção das PIC’s Grupais como estratégia de cuidado e atenção integral à saúde na atenção básica e as possibilidades de diálogo com a educação popular. A pesquisa teve como cenário as Unidades Básicas de Saúde [UBS] e Unidades Básicas de Saúde da Família [UBSF], e como participantes profissionais que realizavam PIC’s Grupais nos serviços. Em termos operacionais, desenvolvemos a pesquisa a partir das seguintes etapas: (a) visita à Secretaria Municipal de Saúde [SMS]; (b) mapeamento dos equipamentos de saúde e de profissionais da atenção básica que desenvolviam atividades em PIC’s Grupais; (c) identificação e caracterização das PIC’s Grupais; (d) realização de entrevistas e rodas de conversa; (e) observação-participante nos grupos de pic’s.O estudo identificou 56profissionais em saúde que desenvolviam PIC’s Grupais, vinculados às seguintes categorias: 16 agentes comunitários de saúde, 09 enfermeiras, 08 educadores físicos, 07 médicas, 04 nutricionistas, 03 psicólogas, 03 auxiliares de enfermagem, 03 dentistas, 02 farmacêuticos e 01 fonoaudiólogo. Dos 66 equipamentos de saúde da atenção básica contactados, 37 realizavam PIC’s Grupais, divididas em 14 modalidades, a saber: relaxamento, meditação, yoga, tai chi chuan,grupos de suporte mútuo, tenda do conto, grupo de prosa com mulheres, grupo de bordadeiras, grupo de idosos, grupo de caminhadas, grupo de terapia e arte, grupos de contação de histórias, terapia comunitária e teatro do oprimido. As PIC’s Grupais atuam com ênfase na valorização das trocas interpessoais entre profissionais e usuários, com um olhar integral e interdisciplinar sobre os sujeitos, de modo a garantir uma participação mais efetiva e o compartilhamento de saberes, elementos essenciais na produção da autonomia. Nessa direção, a educação popular pode ser instrumento de reorientação da atenção à saúde e globalidade das PIC’s Grupais, com base numa perspectiva participativa, criativa, dialogada e emancipadora. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1205730 - ISABEL MARIA FARIAS FERNANDES DE OLIVEIRA
Interno - 1674041 - ANA KARENINA DE MELO ARRAES AMORIM
Externo ao Programa - 1551552 - MARIA ISABEL BRANDAO DE SOUZA MENDES
Externo à Instituição - MARIA DO SOCORRO TRINDADE MORAIS - UFPB
Externo à Instituição - ROCINEIDE FERREIRA DA SILVA - UECE
Notícia cadastrada em: 28/11/2016 14:55
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao