Banca de QUALIFICAÇÃO: EDIANA ROSSELLY DE OLIVEIRA GOMES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : EDIANA ROSSELLY DE OLIVEIRA GOMES
DATA : 17/11/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Laboratório de Psicologia
TÍTULO:

CARACTERIZAÇÃO DE ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS E ACADÊMICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES SOBREVIVENTES DE LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA – LLA


PALAVRAS-CHAVES:

leucemia linfoide aguda, neuropsicologia, neurodesenvolvimento, oncologia pediátrica, aprendizagem. 


PÁGINAS: 63
RESUMO:

A leucemia linfoide aguda (LLA) é o tipo de câncer mais comum entre crianças e adolescentes, representando um terço das neoplasias pediátricas em todo o mundo. O maior refinamento dos processos diagnósticos e terapêuticos promoveu a elevação da sobrevida e a redução das recaídas da doença na infância. A inserção do tratamento profilático direcionado ao SNC nos modernos protocolos de tratamento tem sido apontada como essencial para o sucesso terapêutico, visto que proporcionou uma redução de 75 para 5% no número de recidivas, diretamente implicadas com as maiores taxas de óbito entre os pacientes. Comumente realizada através de quimioterapia intratecal combinada à quimioterapia sistêmica no tratamento padrão, a profilaxia do SNC tem sido frequentemente associada não apenas às elevadas taxas de cura, mas também à emergência de efeitos neuropsicológicos tardios, com uma incidência que varia de 20 a 40% em crianças e adolescentes sobreviventes de LLA. Estudos nessa direção sugerem que os domínios da atenção e funções executivas parecem ser mais sensíveis à quimioterapia profilática do SNC, contribuindo para o declínio global da capacidade intelectiva e das dificuldades acadêmicas experimentadas por esse grupo clínico. Nesse contexto, a neuropsicologia ganha destaque à medida que possibilita o mapeamento de domínios cognitivos preservados e avança na investigação dos impactos relacionados aos processos de adoecimento e tratamento sobre a aprendizagem, o comportamento e as atividades de vida diária dos sobreviventes, tendo em vista a interseção entre o tratamento, a organização e o funcionamento do SNC. Nessa perspectiva, o objetivo geral do presente projeto de pesquisa é caracterizar os aspectos neuropsicológicos e acadêmicos de crianças e adolescentes sobreviventes de LLA. Tal proposta justifica-se pela carência de dados brasileiros, especialmente oriundos da região Nordeste, que caracterizem e evidenciem os efeitos relacionados ao adoecimento e aos protocolos terapêuticos utilizados no país. Soma-se a isso, a necessidade de melhor compreender a natureza, a extensão e os mecanismos subjacentes aos prejuízos neuropsicológicos e acadêmicos nessa população, em virtude das controvérsias comumente encontradas em estudos que abordam a temática. Participam desse estudo 52 sujeitos com idades entre seis e 16 anos, divididos em dois grupos: G1) Crianças e adolescentes diagnosticados com LLA tratadas exclusivamente com quimioterapia; G2) Crianças e adolescentes sem histórico de alterações neurológicas ou psiquiátricas, integrantes do grupo controle pareado de acordo com características sociodemográficas dos participantes do grupo clínico, a saber, sexo, idade, nível socioeconômico e tipo de escola. O protocolo de avaliação neuropsicológica utilizado contempla os seguintes domínios: capacidade intelectiva, atenção, memória, visoconstrução e visoespacialidade, funções executivas, habilidades acadêmicas e aspectos comportamentais. Os dados estão sendo analisados através de ferramentas estatísticas descritivas e inferenciais, notadamente testes não-paramétricos e análise descritiva multidimensional de tipo cluster, com objetivo de agrupar informações contidas em variáveis categoriais-descritivas.  Os dados oriundos desse delineamento apontam para a sistematização dos resultados a partir da problematização de três temáticas principais: 1) Caracterização da capacidade intelectual de pacientes pediátricos sobreviventes de LLA; 2) Atenção e funções executivas em crianças e adolescentes sobreviventes de LLA; 3) Aspectos acadêmicos em crianças e adolescentes diagnosticados com LLA. Por fim, espera-se que o desenvolvimento desse estudo possa melhor caracterizar as alterações neuropsicológicas relacionadas ao tratamento quimioterápico profilático na infância e na adolescência. Adicionalmente, pretende-se produzir conhecimento relevante no campo da neuropsicologia da aprendizagem e do desenvolvimento e sua interface com a oncologia pediátrica, com vistas a subsidiar a elaboração de estratégias de intervenção voltadas à compreensão, minimização e/ou prevenção de efeitos tardios vivenciados por esse grupo clínico, contribuindo com os esforços de pesquisa que se concentram no delicado equilíbrio entre a eficácia terapêutica, a manutenção da toxicidade em níveis mínimos e a qualidade de vida dos sobreviventes.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Presidente - 1321136 - IZABEL AUGUSTA HAZIN PIRES
Externo à Instituição - Pompeia Villachan Lyra - UFRPE
Notícia cadastrada em: 10/11/2016 08:16
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao