Banca de DEFESA: LAURA CRISTINA SANTOS DAMASIO DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LAURA CRISTINA SANTOS DAMASIO DE OLIVEIRA
DATA : 28/07/2016
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Laboratório de Psicologia
TÍTULO:

A Mãe que Entrega um Filho em Adoção: desvelando dores, preconceitos e possibilidades de ressignificações.


PALAVRAS-CHAVES:

Adoção; Maternidade; Entrega; Abandono; luto.


PÁGINAS: 180
RESUMO:

A experiência de mulheres que entregaram o filho recém-nascido em adoção é tema permeado por preconcepções sobre essas genitoras, estigmatizadas como desalmadas. O abandono infantil sempre esteve presente na sociedade. Porém, com mudança na concepção de família e infância, a partir do século XV, esse ato tornou-se condenável. Com a construção da categoria Mulher, ao longo da História, e do Mito do Amor Materno, instaurou-se que o amor ao filho é natural às mulheres, e que a estas cabe o cuidado ao lar e à prole. Tal ideal feminino de maternidade perdura até hoje. Este estudo teve por objetivo compreender a vivência das mulheres que entregam seu filho em adoção, buscando subsídios ao acolhimento dirigido a elas. Realizamos uma pesquisa qualitativa, com 3 mulheres que entregaram o filho junto à instituição jurídica de Natal/RN. O estudo foi ancorado na Hermenêutica Gadameriana, e teve como instrumentos a Entrevista Narrativa com uso de cenas. Nos diálogos com as narrativas chegamos aos seguintes capítulos: 1) Ser Mulher E Ser Mãe: É Padecer No Paraíso?, no qual dialogamos inicialmente com a construção do feminino e as concepções de ser mulher e ser mãe de nossas colaboradoras. Em seguida apresentamos dois eixos temáticos: Ser mulher: entre a perdição e a honra e Ser mãe é tudo de bom. No primeiro, as colaboradoras evidenciaram que ser mulher é não se perder, que implica em ser honrada, sendo do lar, e, se estiver na rua, a honra seria exercendo atividades laborais dignas. Sobre ser mãe é tudo de bom, elas narram que a boa não maltrata os filhos e se cuida. 2) O Antes Da Entrega: A Decisão. Este trata brevemente da história da infância e do abandono infantil, relacionando com as motivações de nossas colaboradoras para a entrega, as dificuldades para criar: financeiras, falta do apoio familiar e do genitor, o uso de drogas, além da possibilidade de ofertar um futuro melhor ao filho; 3) A Entrega e Seu Depois. Neste identificamos a distinção que as mães fazem entre abandono e entrega; a esperança que possuem de reencontrar o filho no futuro; o conforto que encontraram em outros filhos; o medo das condenações; as dores que carregam pela entrega, e a invisibilidade destas promovendo o luto prolongado e não autorizado. Espera-se que esse estudo possa trazer luz ao tema, possibilitando reflexões aos estereótipos em torno delas e possíveis ressignificações, contribuindo para qualidade da assistência às mães nas instituições que a atendem, tornando-se relevante para tais profissionais e para ampliação do saber em Psicologia. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Externo ao Programa - 4315427 - ANNE CHRISTINE DAMASIO
Externo à Instituição - ANA ANDREA BARBOSA MAUX - FACEX
Notícia cadastrada em: 14/07/2016 14:54
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao