Banca de DEFESA: MONIQUE PIMENTEL DIOGENES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MONIQUE PIMENTEL DIOGENES
DATA : 27/07/2016
HORA: 10:00
LOCAL: AUDITÓRIO DE PSICOLOGIA
TÍTULO:

O ZEL-A-DOR: UM ENREDO PROTAGONIZADO PELO IDOSO INSTITUCIONALIZADO SOBRE O CUIDADOR.


PALAVRAS-CHAVES:

idoso, Instituição de Longa Permanência para Idosos, Cuidado, cuidador, humanização. 


PÁGINAS: 195
RESUMO:

A nova configuração da família brasileira, com a modernização da sociedade, que incluiu a inserção da mulher no mercado de trabalho, o uso de contraceptivos, a redução do tamanho das famílias e a falta de tempo na vida atual vem modificando a relação do cuidado ao idoso, que estava relacionado ao contexto familiar. Em decorrência disso, a institucionalização é um fenômeno irreversível, a qual boa parte da população idosa deverá se submeter, nas próximas décadas, tendo em vista o aumento expressivo dessa população e as mudanças nas relações sociais de gênero, que desobrigaram a mulher do ônus do cuidado dos idosos e enalteceram a figura do cuidador de idosos. Diante dessa realidade, realizamos uma pesquisa qualitativa visando compreender, na vivência de idosos institucionalizados, os significados atribuídos ao bom cuidador, a fim de subsidiar estratégias para a qualidade do cuidado prestado a essa população. O local da pesquisa foi uma Instituição de Longa Permanência de caráter filantrópico. Como estratégia metodológica para o acesso às narrativas dos colaboradores, utilizou-se a entrevista narrativa mediada pelo “baú de recordações”. Para análise e interpretação das narrativas suscitadas, recorremos à Hermenêutica Gadameriana. A partir do diálogo com as narrativas chegamos a três cenas (capítulos): 1)”Envelheci: e agora?” 2)”Estou em um abrigo” e 3) Cuidar é zelar: dialogando sobre o Cuidado e cuidador. Na primeira cena, as idosas trazem os significados de ser idoso, que vão desde a comparação com o ser criança às dores e alegrias, tendo como questão central a autonomia, que pode ser uma alegria quando mantida ou um dor quanto ela está tolhida. E assim a busca pelo envelhecimento ativo foi evidenciado nas vozes das idosas. A segunda cena traz a realidade dos abrigos para as nossas colaboradoras, ressaltando que essa alternativa foi uma decisão do outro, além de trazer os ganhos, como um lugar para se viver e ser cuidado e as perdas, evidenciadas nas dificuldades da relação em um ambiente coletivo com outras idosas. Na última cena, o zelar foi o significado atribuído ao cuidar pelas idosas. Sobre o cuidador, narraram as dificuldades da delimitação do seu lugar profissional, a sobrecarga de trabalho e, por fim, sobre a relação do bom cuidador, descreveram atributos do Cuidado humanizado, integral, presente em suas vivências com seus cuidadores, em uma constante inter-relação dos aspectos instrumentais e os aspectos humanistas, configurando a denominação de Zela-a-dor como aquele que Cuida zelando todas as dores. Espera-se agregar reflexões aos conhecimentos já existentes para que juntos vislumbremos novos scripts, que possam fomentar estratégias de Cuidado que (re)conheça o idoso institucionalizado em suas necessidades visando um envelhecimento saudável, ativo e amoroso em uma ILPI.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Externo à Instituição - MARIA GORETTI DA CUNHA LISBOA - UEPB
Interno - 2704485 - MARLOS ALVES BEZERRA
Notícia cadastrada em: 13/07/2016 09:16
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao