Banca de DEFESA: LUANA DE BARROS CAMPOS DO AMARAL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUANA DE BARROS CAMPOS DO AMARAL
DATA : 22/07/2016
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO DE PSICOLOGIA
TÍTULO:

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO TRABALHO DOCENTE E DA APOSENTADORIA PARA PROFESSORES DE DUAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

 


PALAVRAS-CHAVES:

Aposentadoria; Práticas Sociais; Representações Sociais; Trabalho Docente.


PÁGINAS: 198
RESUMO:

Esta pesquisa teve como objetivo analisar representações sociais do trabalho docente e da aposentadoria, considerando as práticas sociais de professores de duas universidades públicas federais. Para isto buscamos identificar estrutura e conteúdo das representações sociais que permeiam o discurso sobre os temas e associar informações sobre características sociodemográficas, percepção da condição de trabalho e situação familiar com as representações sociais desses temas e suas práticas sociais. O estudo buscou responder os seguintes questionamentos: quais são as representações sociais dos docentes de instituições públicas federais acerca do seu trabalho e da aposentadoria? Como as representações sociais do trabalho e da aposentadoria se associam para a construção das práticas desse grupo profissional? Para alcançar os objetivos foram aplicadas técnicas quantitativas e qualitativas paralelamente, com uso de questionário online (313) e entrevistas narrativas (20). Os resultados indicaram que as representações sociais do trabalho docente abrangem quatro dimensões: ser, fazer, saber e sentir, o que sugere que esse tipo de trabalho envolve identidade, conhecimento, ação e emoção. A relação com professor-aluno aparece como construtora de representações mais significativas do trabalho. As práticas docentes que mais se destacaram foram: pesquisa, ensino e gestão. A prática docente é construtora de uma identidade profissional que interfere nas representações sociais da aposentadoria no sentido de que a grande identificação com o trabalho, faz com que o momento de aposentadoria possa ser adiado. As representações sociais da aposentadoria mais fortes e positivas foram: o retorno ao lar, melhor convivência familiar, nova etapa e tempo para lazer e viagens. As negativas foram: medo da ociosidade, adoecimento e velhice. Não houve diferenças significativas entre as instituições. O estudo cumpriu com o objetivo de avançar na teoria no que diz respeito a associações entre representações sociais de fenômenos diferentes e da associação entre as representações sociais e práticas sociais. E pretende ajudar nas construções de políticas voltadas aos professores que estejam planejando se aposentar, assim como políticas de combate ao “idadismo” nas instituições.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1134517 - JORGE TARCISIO DA ROCHA FALCAO
Externo à Instituição - LÚCIA HELENA DE FREITAS PINHO FRANÇA - UNIVERSO
Presidente - 1519736 - TATIANA DE LUCENA TORRES
Notícia cadastrada em: 05/07/2016 14:19
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao