Banca de DEFESA: ELIDA MAYARA DA NOBREGA CUNHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELIDA MAYARA DA NOBREGA CUNHA
DATA: 11/12/2015
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Laboratório de Psicologia
TÍTULO:

“Oi, meu nome é Ana” – Um estudo fenomenológico-existencial da experiência de mulheres com anorexia nervosa.


PALAVRAS-CHAVES:

Anorexia Nervosa, pesquisa fenomenológica, fenomenologia heideggeriana.


PÁGINAS: 132
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Esta pesquisa aborda a anorexia nervosa (AN) pelo olhar de pessoas que viveram essa experiência. Os Transtornos Alimentares (TAs) têm se apresentado como psicopatologias cada vez mais recorrentes na contemporaneidade, sendo sua incidência quase duplicada nos últimos 20 anos, atingindo, principalmente, adolescentes e trazendo conseqüências e implicações de diversas naturezas. A literatura aponta para a relevância do atual ideal de beleza, no qual a magreza é hipervalorizada. Diante deste cenário o objetivo do estudo foi compreender, a partir de uma perspectiva fenomenológico-existencial, a experiência de anorexia. Nesse sentido, ao se acessar a experiência, busca-se a compreensão dos possíveis sentidos que o não-comer tem para a pessoa que vivencia tal experiência. A pesquisa, de inspiração fenomenológico-existencial heideggeriana, utilizou entrevistas semi-abertas como meio de acesso à experiência. Foram entrevistadas duas pessoas do sexo feminino, com a idade de 17 e 30 anos, iniciadas com uma pergunta disparadora (“Como foi, ou como é, a sua vivência de anorexia?”), que permitiu à entrevistada falar sobre a sua experiência. Para a seleção das participantes da pesquisa houve divulgação entre os profissionais da área da saúde, assim como nas redes sociais e blogs, em que foram explicitados os objetivos da pesquisa e critérios de participação. O diário de campo também foi utilizado como recurso metodológico, buscando uma maior aproximação das experiências das entrevistadas e da pesquisadora. As entrevistas foram interpretadas à luz da hermenêutica heideggeriana Os sentidos desvelados nas narrativas revelaram questões para além da questão física e patológica, estando envolvidos família, desejos, amigos, experiências, projetos de vida. O corporar, tal como pensado por Martin Heidegger, se fez muito presente nas falas das entrevistadas, uma vez que faz parte da existência. Dentre as ideias heideggerianas, ressalta-se o cuidado, inospitalidade, habitar, tédio, abertura às possibilidades e facticidade, que puderam ser discutidos a partir das falas das entrevistadas, gerando reflexões acerca dos seus sentidos, em suas existências.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA ANDREA BARBOSA MAUX - FURG
Presidente - 347529 - ELZA MARIA DO SOCORRO DUTRA
Externo ao Programa - 6350812 - SYMONE FERNANDES DE MELO
Externo à Instituição - VIRGÍNIA MOREIRA - UNIFOR
Notícia cadastrada em: 10/12/2015 09:43
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao