Banca de DEFESA: ANALUCIA DE LUCENA TORRES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANALUCIA DE LUCENA TORRES
DATA: 21/09/2015
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório de Psicologia
TÍTULO:

O papel do ambiente residencial na qualidade de vida de idosos: um estudo exploratório em Cabedelo, Paraíba


PALAVRAS-CHAVES:

Ambiente residencial; Qualidade de vida; Idoso; Psicologia Ambiental


PÁGINAS: 187
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Na atualidade, o crescente envelhecimento populacional desafia a sociedade e as políticas públicas de saúde, pois o aumento da longevidade precisa estar associado à qualidade de vida. Para tanto, estar em ambiente físico e social adequado é um fator fundamental para o bem estar do idoso, sobretudo no ambiente habitacional - nessa tese entendido como o conjunto da casa (unidade de habitação) e do seu entorno (vizinhança próxima). Além disso, a legislação brasileira nesse setor indica a importância do idoso permanecer em casa e na família. Partindo desse quadro geral, o objetivo principal da pesquisa foi investigar foi investigar como o ambiente residencial (sócio-físico) influencia as atividades cotidianas e a qualidade de vida da pessoa idosa.  O estudo assumiu caráter exploratório e qualitativo, e recorreu a visitas domiciliares, sendo desenvolvido com base em estratégia multimétodos. O trabalho empírico foi realizado na cidade de Cabedelo-Paraíba, de novembro/2013 a fevereiro/2014. Participaram 36 idosos (31 mulheres e 5 homens), com idade entre 80 e 99 anos e baixa escolaridade, os quais moram na área a cerca de 39 anos (em média). Na primeira etapa da pesquisa foram aplicados questionários relativos aos dados sócio- demográficos e à habitabilidade da residência e do entorno. Na segunda etapa aconteceu entrevista com roteiro semiestruturado, utilizando gravação, e passeio acompanhado (com os que aceitaram fazê-lo). Ao longo de todo trabalho foi mantido um diário de campo pela pesquisadora e realizadas observações naturalísticas do comportamento dos idosos. Os dados quantitativos foram descritos por meio de estatística básica, e as informações provenientes das entrevistas foram analisadas através da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC). Dentre as ideias centrais que deles emergiram destacam-se: a representação da casa, o apoio da vizinhança e questões relacionadas à díade independência/autonomia. O estudo mostrou que os idosos desenvolvem forte apego ao lugar onde moram, entendem a importância dele para a sua saúde e desejam permanecer ali. Assim, embora no local onde moram eles vivenciem muitas barreiras (mais físicas do que sociais), eles se dizem satisfeitos. Como as casas são ambientalmente mais dóceis mudanças simples garantem um pouco de autonomia, independência e mobilidade aos idosos. Por sua vez, as barreiras do meio urbano aparentam ser mais difíceis de enfrentar, tornando este espaço inóspito à maioria dos participantes da pesquisa, condição que dificulta suas atividades físicas e sua participação social,  influenciando negativamente sua qualidade de vida.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FATIMA RAQUEL ROSADO MORAIS - UERN
Interno - 2434544 - FERNANDA FERNANDES GURGEL
Presidente - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Interno - 347107 - JOSE DE QUEIROZ PINHEIRO
Externo à Instituição - SYLVIA CAVALCANTE - UNIFOR
Notícia cadastrada em: 18/08/2015 09:38
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao