Banca de QUALIFICAÇÃO: MAURA LIMA BEZERRA E SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAURA LIMA BEZERRA E SILVA
DATA: 03/06/2014
HORA: 09:30
LOCAL: Sala azul do laboratório de Psicologia
TÍTULO:

ATENÇÃO À CRISE E APOIO MATRICIAL: ANALISADORES DA ESTRATÉGIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL


PALAVRAS-CHAVES:

reforma psiquiátrica; atenção à crise; matriciamento; estratégia atenção psicossocial


PÁGINAS: 298
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

A Política Nacional de Saúde Mental se caracteriza como uma política territorial-comunitária e tem a Estratégia Atenção Psicossocial (Eaps) como norteadora para a proposição e o desenvolvimento de suas ações. No desenho da Política, o Centro de Atenção Psicossocial é um equipamento estratégico dentro da Rede de Atenção Psicossocial/RAPS. O apoio matricial de suporte técnico às ações de saúde mental na Atenção Básica e o cuidado à crise configuram frentes estratégicas de ação dos CAPS em sua missão substitutiva e, guiados pela bússola da desinstitucionalização, são essenciais para o êxito da função desses serviços. São reconhecidos, entretanto, como grandes desafios, materializados para os trabalhadores em seus ofícios micropolíticos de fazer avançar as práticas psicossociais. A nossa pesquisa se coloca como um investimento na direção de potencializar as práticas psicossociais e teve como objetivo conhecer a operacionalização da atenção à crise e do matriciamento em um CAPS II da cidade do Recife, bem como a análise de tais práticas frente aos princípios da Estratégia Atenção Psicossocial, na perspectiva dos seus trabalhadores. Inspirados na Pesquisa-interventiva e no ideário político-social da Análise Institucional, como recursos metodológicos ofertamos, através de entrevistas de implicação, um espaço de reflexão e troca possibilitando que os trabalhadores se lançassem em análise das práticas da atenção à crise e do matriciamento na perspectiva da Eaps. Fizemos consulta documental ao Projeto Técnico. Resultados indicam dificuldades em “dar conta” da crise, de modo que o hospital psiquiátrico termina sendo utilizado como um recurso, principalmente diante de casos em que o elemento da agressividade se faz contundente, assim como quando os suportes familiares e dos CAPS III não podem ser acionados, indicando fragilidades na rede de suporte. A falta de apoio dos equipamentos de suporte da RAPS foi um fator macropolítico de interferência nas dificuldades identificadas. As ações do matriciamento no território, mesmo identificadas como um recurso potente de prevenção à crise, apareceram marcadas pela lógica do atendimento domiciliar, sem operar prioritariamente como dispositivo potente de troca de saberes e tecnologias. Os efeitos das ações de cuidado nos usuários são identificados pelos trabalhadores sem as repercussões desejadas no horizonte da reinserção social e a Eaps, mesmo despontando como um norteador das práticas é vista mais como um ideal do que como prática efetivada. Apesar dos resultados sinalizarem que a atenção à crise e as ações do matriciamento são desenvolvidas ainda sem conexão tenaz com os propósitos da Eaps, casos considerados exitosos são sinalizados tendo como principal fio condutor a tessitura micropolítica da intersetorialidade das ações.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1149551 - GEORGIA SIBELE NOGUEIRA DA SILVA
Presidente - 1293170 - MAGDA DINIZ BEZERRA DIMENSTEIN
Externo ao Programa - 426721 - MARIA TERESA LISBOA NOBRE PEREIRA
Notícia cadastrada em: 15/05/2014 14:18
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao