Banca de DEFESA: ALEIDA MARIA DA SILVA LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALEIDA MARIA DA SILVA LIMA
DATA: 27/02/2012
HORA: 15:00
LOCAL: Sala do DDRH - Dep. Nutrição
TÍTULO:

Atividade Imunoestimulante da β- 1,3 Glucana em Candidíase Vulvovaginal Experimental


PALAVRAS-CHAVES:

β-Glucana, Candida albicans, Candidíase Vulvovaginal


PÁGINAS: 78
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

LIMA AMS. Atividade Imunoestimulante da β 1-3, Glucana em Candidíase Vulvovaginal Experimental. Mestrado (Imunologia). Laboratório de Imunologia Clínica da Universidade Federal do Rio grande do Norte, Natal, 2012. A candidíase vulvovaginal (CVV) é uma doença inflamatória causada por leveduras patogênicas do gênero Candida, que podem apresentar diversas espécies, porém a Candida albicans é a responsável por cerca de 90% das infecções humanas. Estima-se que três quartos de todas as mulheres adultas no mundo serão acometidas por candidíase vulvovaginal, em alguma época de sua vida, sendo muitas vezes recorrente. Por isso a CVV é atualmente um relevante problema na saúde da mulher. As β-glucanas são polissacarídeos constituintes estruturais da parede celular de leveduras, fungos (Saccharomyces cerevisiae), alguns cereais, plantas e algas, que se diferenciam pelo tipo de ligação entre as unidades de glicose da cadeia principal e pelas ramificações que se conectam a essa cadeia, sendo essa estrutura um potente imunoestimulante, pois ao ser reconhecido pelo organismo desencadeia uma série de eventos na resposta imune. Existem diversos relatos que comprovam o efeito imunomodulatório em infecções de origem bacteriana, viral, fúngica e parasitária. Sabendo-se disso, o presente estudo avaliou se a β-glucana apresenta atividade imunomodulatória em camundongos com candidíase vulvovaginal sob influência do estrógeno. Os animais foram inoculados com C. albicans, por via vaginal, sendo a infecção confirmada dois dias após a inoculação. Quando confirmada a infecção, os animais foram tratados, no quarto e sétimo dia após a inoculação, com glucana, por via vaginal e por via intraperitoneal, sendo o grupo controle aqueles animais que receberam cloreto de sódio a 0,9%, por via intraperitoneal. A candidíase vulvovaginal foi avaliada através da contagem de unidades formadoras de colônias (UFC) e da dosagem da citocina IFN-γ, no lavado vaginal dos camundongos. Os animais tratados com glucana intraperitoneal apresentaram um número menor de UFC, quando comparado com os animais controles, porém as diferenças não foram estatisticamente significantes. Além disso, foi observado que os animais tratados com glucana apresentaram maior quantidade de IFN-γ, quando comparado com o controle, no qual a citocina não foi detectada. Os dados sugerem que a glucana possa ter uma atividade importante na proteção contra a C. albicans.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 350753 - VALERIA SORAYA DE FARIAS SALES
Externo ao Programa - 1801992 - PAULA RENATA LIMA MACHADO
Externo à Instituição - TEREZINHA INEZ ESTIVALET SVIDZINSKI - UEM
Notícia cadastrada em: 15/02/2012 16:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa22-producao.info.ufrn.br.sigaa22-producao