Banca de DEFESA: KAROLYNE DOS SANTOS SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KAROLYNE DOS SANTOS SILVA
DATA: 24/02/2012
HORA: 15:00
LOCAL: Sala do CONSEC/CCS
TÍTULO:

CONTROLE DE QUALIDADE DE MICROEMULSÕES: GUIA DE CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE MICROBIOLÓGICO


PALAVRAS-CHAVES:

Nanossistemas; Microemulsão; Controle de Qualidade


PÁGINAS: 107
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A nanotecnologia tem proporcionado perspectivas com inúmeras vantagens frente às
formulações já existentes. Estas vantagens facilitam o acesso as Ciências
Farmacêuticas, criando oportunidades na área, gerando estudos de desenvolvimento,
caracterização e aplicação de sistemas terapêuticos em escala nanométrica. Este
desenvolvimento é muito importante no sentido de estabelecer alternativas
terapêuticas mais eficazes, que possibilitem maior segurança e efeitos colaterais
minimizados. Contudo, não se podem descartar os riscos de possível toxicidade ou
ainda a incompatibilidade biológica de materiais utilizados nesses nanosistemas. As
microemulsões (MEs) são formulações isotrópicas, fluidas, termodinamicamente
estáveis e transparentes, formadas por um sistema composto por fases hidrofílicas e
lipofílicas, estabilizadas por um conjunto de tensoativos. Com a inexistência de
regulamentação para o Controle de Qualidade de nanosistemas, surge a necessidade
de adaptar técnicas que atendam a esses critérios, através de análises laboratoriais,
englobando os testes necessários durante as etapas de preparação, caracterização,
estabilidade, liberação e citotoxidade. Com esta visão, o objetivo deste trabalho foi
reunir informações que direcionem orientações para controle de qualidade de
nanossistemas, especificamente sistemas microemulsionados, que venha suprir a
carência de publicações oficiais destinadas à orientação técnico-científica deste tipo
de sistema. Utilizando métodos de produção e caracterização (aspectos
macroscópicos, determinações do pH, índice de refração, condutividade, análises de
tamanho de partícula, potencial zeta, microscopia de luz polarizada e de transmissão
eletrônica, diluição) sendo ainda realizados ensaios microbiológicos. A partir das
técnicas escolhidas, foi possível produzir e caracterizar as MEs e classificá-las como
interessantes formulações para incorporação de fármacos hidrofilicos e lipofilicos,
realizar estudos estabilidade a fim de garatir uma maior segurança e eficácia da
formulação e desenvolver e validar uma metodologia analítica para doseamento de
farmaco, o qual foi escolhido Anfotericina B como farmaco modelo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1178187 - ERYVALDO SOCRATES TABOSA DO EGITO
Externo à Instituição - FRANCELINE REYNAUD - UFRJ
Externo ao Programa - 1754360 - WALDENICE DE ALENCAR MORAIS
Notícia cadastrada em: 09/02/2012 16:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao