Banca de DEFESA: GUSTAVO HENRIQUE DE MEDEIROS OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GUSTAVO HENRIQUE DE MEDEIROS OLIVEIRA
DATA: 26/01/2012
HORA: 15:00
LOCAL: SALA DO CONSEC 2º ANDAR PRÉDIO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
TÍTULO:

ESTUDO DE NOVAS MUTAÇÔES E POLIMORFISMOS NOS GENES TGFα E TCN2 EM PACIENTES COM FENDAS ORAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Fendas orais, TCN2, TGFα, TaqMan, HRM, PCR em tempo Real


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Introdução: As fendas orais são malformações caracterizadas pela formação incompleta das estruturas que separam a cavidade nasal e oral. Sabe-se que vários fatores ambientais e genéticos estão envolvidos em sua etiologia, dentre esses as exposições ambientais maternas tabagismo, etilismo, histórico familiar e os genes candidatos TGFα e TCN2. Causuística e Métodos: Foram arrolados na pesquisa 640 indivíduos, dos quais 145 são pacientes com fendas orais e suas respectivas mães selecionados no Programa de Atendimento ao Paciente Fissurado do Hospital de Pediatria Prof. Heriberto Ferreira Bezerra (HOSPED) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O Grupo Controle selecionado constituiu-se de 175 crianças saudáveis com suas respectivas mães, sem histórico familiar de fendas orais. Todos os indivíduos foram submetidos a coleta de sangue para extração de DNA, dosagens bioquímicas (ALT, AST, Glicose, ácido fólico, B12 e homocisteína) e análises hematológicas. Além de responderem ao questionário com informações socioeconômicas, hábitos de vida (atividade física, etilismo, tabagismo e uso de medicamentos) e histórico familiar, dados que foram analisados estatisticamente. Para a pesquisa de novas variantes, no gene TGFa, foi aplicada a técnica High Resolution Melt Curve (HRM) e para genotipagem de SNP no TCN2 foi usado um ensaio pré desenhado (TaqMan®) empregando técnica de discriminação alélica, ambos pela PCR em Tempo Real Real (ABI Prism 7500 Fast – Real Time. O sequenciamento foi realizado em parceria com o Centro de Estudos do Genoma Humano (CEGH – USP; ABI 3730 DNA Analyser - Applied Biosystems - Foster City, CA, USA) para confirmação das variantes. Resultados e Conclusão: Observarmos que a maioria dos pacientes eram portadores de fenda lábio-palatina (55,8%), seguida da fenda palatina isolada (24,2%) e da fenda labial (20%). Em relação ao sexo, 62% dos pacientes eram do sexo masculino e 48% do sexo feminino e, após subdivisão do tipo de fenda de acordo com o sexo constatou-se uma prevalência do sexo masculino nas fendas do tipo lábio-palatina (69%) e labial (69,2%) e no caso das fendas palatinas isoladas houve uma predominância do gênero feminino (59%). A concentração sérica reduzida de ácido fólico e o etilismo materno foram identificados como fatores de risco associados ao desenvolvimento das fendas orais. Observou-se que a concentração média de ácido fólico sérico no grupo das mães de pacientes fissurados foi significativamente superior (13,8±2,4ng/mL) quando comparada com o grupo das mães dos indivíduos controles (18,8±3,4ng/mL), o que também foi observado para o grupo dos pacientes fissurados em relação quando comparado aos filhos controles, a dosagem de ácido fólico apresentou diferença significante com valores de 15,6±0,6(ng/mL) e 17,9±0,6(ng/mL). Para as dosagens bioquímicas de glicose, AST, ALT e creatinina não foram observadas diferenças estatísticas, assim como não foi observado para os parâmetros hematológicos realizados. O etilismo materno foi identificado como um importante fator de risco na etiologia das fendas orais. Na pesquisa de novas variantes, no gene TGFa, foi aplicada a técnica (HRM) para as regiões intron 5, exon 6 e 3’UTR do referido gene, onde identificamos e caracterizamos cinco polimorfimos: rs11466267 (intron 5); rs2166975 (exon 6); rs3771523, rs1058213, rs538118 (3’UTR) e uma nova mutação na região 3’UTR, todas as variantes foram confirmadas pelo sequenciamento.Outra abordagem envolve a discriminação alélica do polimorfismo G776C (rs1801198) da Transcobalamina II (TCN2). Os resultados obtidos não mostram relevância estatística dos polimorfismos estudados e a etiologia das fendas orais. No entanto, o HRM apresentou-se como uma técnica eficiente, rápida e baixo custo para a pesquisa de novas mutações e genotipagem. O presente possui uma abordagem inédita que envolve a metodologia HRM, TGFa e pacientes com fenda orais. Além disso, também é o primeiro estudo dos genes TGFa e TCN2 em pacientes com fendas orais no Rio Grande do Norte.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2323511 - ADRIANA AUGUSTO DE REZENDE
Externo à Instituição - CLARICE SAMPAIO ALHO - UFRGS
Externo ao Programa - 1663052 - IVANISE MARINA MORETTI REBECCHI
Notícia cadastrada em: 03/01/2012 09:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao