Banca de DEFESA: PAULA CRISTINA SILVEIRA DIAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: PAULA CRISTINA SILVEIRA DIAS

DATA: 22/02/2011

HORA: 09:00

LOCAL: Sala 2 PPgCF

TÍTULO:

Avaliação do status de zinco e da expressão gênica de metalotioneínas em
pacientes com aterosclerose tratados com rosuvastatina


PALAVRAS-CHAVES:

Aterosclerose; rosuvastatina; zinco; metalotioneínas


PÁGINAS: 89

GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde

ÁREA: Farmácia

RESUMO:

O estudo teve como objetivo avaliar o status de zinco por meio da ingestão dietética, zinco no
plasma e nos eritrócitos e a expressão gênica das metalotioneínas em pacientes com
aterosclerose em uso de rosuvastatina. A pesquisa envolveu 27 pacientes adultos e idosos de
ambos os sexos com aterosclerose que foram tratados com rosuvastatina (10mg/dia) durante 4
meses. Foi realizada a dosagem do perfil lipídico, glicemia, AST e ALT, proteína C reativa
ultrasensível (PCRus), zinco plasmático e eritrocitário e expressão gênica das metalotioneínas
1 e 2. Realizou-se a avaliação do índice de massa corporal (IMC) e circunferência abdominal
(CA), além da análise do consumo alimentar dos pacientes. A maioria dos pacientes avaliados
apresentou sobrepeso, tanto antes como após o tratamento, sem diferença significativa entre
os tempos do estudo. Identificou-se que a CA foi reduzida significativamente no grupo
(p<0,05) após a intervenção. A maioria dos pacientes tinha ingestão abaixo da recomendação
de calorias e fibras e acima do recomendado de proteínas. As gorduras mono e poliinsaturadas
foram adequadas para a maioria dos pacientes, no entanto, a gordura saturada e colesterol
foram consumidos em excesso por grande parte dos indivíduos. O consumo de zinco foi
inadequado, constatando-se 100% de inadequação no sexo masculino e 84% no feminino.
Após o tratamento com a rosuvastatina houve redução significativa do colesterol total (CT) e
LDL-c (p<0,01) e não foram observadas alterações no HDL-c e triacilglicérides. Foi
verificada também a redução da glicemia (p<0,05) e da PCRus (p<0,01). As análises não
demonstraram diferenças significativas nas concentrações de zinco no plasma nem nos
eritrócitos antes e após o tratamento com rosuvastatina. Houve, após o tratamento, redução
do gene MT1F (p<0,05) sem, no entanto, ocorrer alteração significativa do gene MT2A. O
tratamento com rosuvastatina foi efetivo na redução do CT e LDL-c, bem como promoveu a
redução do marcador inflamatório PCRus. O zinco no plasma e nos eritrócitos não foi alterado
pelo uso da medicamento e houve uma redução do gene MT1F, possivelmente em função da
redução da inflamação. A maioria dos pacientes apresentou consumo inadequado de zinco e
esta inadequação não teve relação com os parâmetros do mineral no plasma ou nos eritrócitos
nem com a expressão gênica das metalotioneínas


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2323511 - ADRIANA AUGUSTO DE REZENDE
Externo ao Programa - 1663052 - IVANISE MARINA MORETTI REBECCHI
Externo à Instituição - THOMAS PRATES ONG - USP
Notícia cadastrada em: 11/02/2011 11:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao